A arte da coquetelaria em lata formato sleek

Gim tônica em embalagem de alumínio oferece sabor, praticidade e incentivo à reciclagem

A arte da coquetelaria está mais acessível. O tradicional gim tônica agora pode ser consumido em diversas ocasiões, eventos, em casa ou na praia. Basta abrir a latinha de alumínio e saborear o drink gelado. A nova bebida, a Ginta, promete facilitar o acesso aos destilados.

Desenvolvida por um grupo de quatro amigos da zona sul do Rio de Janeiro, a linha de produtos chega ao mercado em três versões: Clássico (limão siciliano, laranja e tangerina), Berries (romã, açaí, morango, cranberry e amora) e Ginger (mel e gengibre). Pronta para ser consumida, a receita desenvolvida mistura gim artesanal e tônicas aromatizadas naturalmente.

“Além da facilidade de transporte e praticidade,
a latinha é 100% reciclável”

Após estudo de mercado, os sócios entenderam que a lata é a embalagem que mais se encaixa aos valores da marca. (duplo espaço) Além da facilidade de transporte e praticidade, a latinha é 100% reciclável e, se descartada corretamente, volta ao mercado em apenas 60 dias. É a embalagem mais reciclada do País, com uma taxa de 97,3%, enquanto PET e vidro seguem com 59% e 47%, respectivamente.

No tamanho ideal para um drink gelado, a latinha de formato 269ml sleek, foi produzida pela Ball. Segundo Hugo Magalhães, gerente de Marketing e Novos Negócios da Ball Embalagens para Bebidas América do Sul, a embalagem foi escolhida para gerar a melhor experiência de consumo ao público.

“A Ball vem conectando suas expertises e realizando testes para designar o formato de lata correto para cada bebida. Acreditamos que um produto de qualidade, na embalagem certa, na dose certa e atendendo a ocasião de consumo a que se propõe, tem tudo para ser um sucesso para o consumidor”, avalia.

Embalagens recicláveis influenciam compras

Pesquisa aponta produção de resíduos e reciclagem como pontos críticos para consumidores

As embalagens influenciam a decisão de compra no Brasil, com maior ou menor frequência, em 99% dos casos. Para 32% dos consumidores essa influência é constante e, para 41,75%, é frequente. O volume de resíduos gerado pelas embalagens e a reciclagem são pontos críticos de sua utilização. Esses dados fazem parte da pesquisa realizada junto a 400 consumidores pela Two Sides, organização sem fins lucrativos com atuação em cinco continentes, que aborda questões relativas ao mercado de produtos impressos em papel.

“As embalagens são fundamentais em todos os setores de atividades e um termômetro da economia. Por isso, buscamos avaliar a percepção do consumidor brasileiro quanto a sua relevância e finalidade, sua destinação pós-consumo e os impactos ambientais decorrentes dela. A relevância das embalagens para a decisão de compra tem direcionado a indústria a aperfeiçoar cada vez mais os materiais e a tecnologia empregados na fabricação desses produtos”, diz Fábio Mortara, presidente da Two Sides Brasil.

“Consumidor valoriza diferencial de proteção do produto”

As características das embalagens que mais influenciam as compras, de acordo com a pesquisa, são sua capacidade de proteger o produto – na opinião de 64% dos entrevistados -, as informações que elas trazem – segundo 52% deles – e a facilidade de abertura ou fechamento é ponto relevante para 47% dos entrevistados. O tamanho das embalagens – mais especificamente, aquelas de menor dimensão -, assim como sua aparência e a matéria-prima utilizada em sua confecção, também são fatores levados em consideração pelos consumidores no momento da compra.

O levantamento revela ainda que 32% dos entrevistados apontam o plástico como o material menos amigável ao meio ambiente, seguido pelo vidro (28%),   metal (24%) e papel (23%).

Vídeo da Tetra Pak traz histórias de “Gente que Recicla”

Série mostra histórias de pessoas que colaboram com a coleta seletiva de embalagens

Ao escolher um produto, o consumidor pode colaborar com a preservação do meio ambiente levando para casa alimentos e bebidas envasados em embalagens recicláveis, como as caixinhas longa vida e as latas de alumínio. De acordo com Valeria Michel, diretora de Economia Circular da Tetra Pak, governo, empresas e cidadãos dividem as tarefas no que diz respeito à gestão de resíduos sólidos no País. Por isso, é preciso que cada um faça a sua parte.

Dentre outras ações, a empresa investe na conscientização do consumidor. Para isso, produziu uma websérie que conta histórias de pessoas que trabalham para a reciclagem acontecer no Brasil. Em sete episódios, a produção aborda a importância da educação, da consciência ambiental, da criatividade e do cooperativismo para a prática da coleta seletiva.

“Reciclagem depende do consumo e da coleta seletiva de embalagens”

Quem assiste pode conhecer a Najara, professora que educa as crianças sobre a importância de proteger o meio ambiente; o Renato e a Luna, pais que aprenderam com o filho Davi a praticar a coleta seletiva dentro de casa; o Gilberto, catador de materiais recicláveis e líder da cooperativa Casa do Catador; a Alyne, empreendedora em um comércio de materiais recicláveis; a Maria Angélica, diretora em uma indústria papeleira que recicla embalagens longa vida; o Eduardo, empresário que produz telhas e placas com plástico e alumínio reciclados, provenientes das embalagens cartonadas; e, por fim, o José Carlos, engenheiro em uma indústria de rotomoldagem que desenvolve produtos com esse mesmo material.

“O que possibilita que todas as ações funcionem são as pessoas. A começar pelo consumidor, que escolhe um produto em uma embalagem longa vida e pratica a coleta seletiva, e por cada parceiro que desenvolve novos produtos a partir das nossas embalagens pós-consumo. São essas as histórias que procuramos mostrar na série”, explica Valeria.

A série completa está disponível em https://www.youtube.com/tetrapakbrasil

SP ganha novos pontos de coleta de embalagens

 Com descarte, consumidor acumula pontos que geram descontos em consumo de luz, transporte e recarga de celular

Os consumidores da região metropolita de São Paulo agora contam com novos pontos de coleta de embalagens recicláveis. O descarte pode ser feito em sete máquinas Retorna Machines espalhadas por São Paulo, Guarulhos e São Bernardo do Campo, que recebem embalagens cartonadas, de alumínio, de aço e de PET.

Com o descarte, o consumidor acumula pontos que podem gerar descontos em conta de luz da Eletropaulo, crédito no Bilhete Único ou Cartão BOM, pontos no programa de fidelidade da livraria Saraiva (SaraivaPlus) e recarga de telefone pré-pago das operadoras de telefonia Vivo, Claro, Oi e TIM. Também é possível doar os pontos para instituições filantrópicas auxiliadas pela Triciclo (Projeto Arrastão, Casa do Zezinho e Fundação Fenômenos).

Para começar a pontuar e receber os créditos, o consumidor deve fazer o cadastro gratuito na Retorna Machine, pelo site www.triciclo.eco.br ou pelo aplicativo Retorna Machine disponível para IOS e Android. Nesses canais também é possível gerenciar a conta e os pontos acumulados, que possuem validade de 180 dias, contados do dia do acúmulo.

Depois, basta depositar as embalagens com o código de barras legível na máquina. Cada tipo de resíduo possui uma pontuação e cada conta triciclo pode depositar até 10 embalagens por dia. A partir do 11º resíduo no dia, os pontos são automaticamente doados para as Instituições Filantrópicas em igual proporção.

A iniciativa é das empresas Cargill, fabricante de produtos como o óleo Liza e molhos Pomarola, e Triciclo,  que cria e opera soluções para o desenvolvimento sustentável.


Onde encontrar as Retorna Machines:

Universidade Anhembi Morumbi – Unidade Mooca
Rua Dr. Almeida Lima, 1134 – Mooca
Das 6h às 23h

Estação de Metrô República – Linha Amarela
Praça da República, 299 – República
Das 6h às 00h

FMU – Unidade Taguá
Av. Liberdade, 899 – Liberdade
Das 6h às 23h

Makro Guarulhos
Rua Carlos Leal Evans, 252 – Jd. Santa Francisca
Das 7h às 22h

Makro São Bernardo do Campo
Rua Frei Damião, 355 – Paulicéia
Das 7h às 22h

Tenda Atacado Guarapiranga
Av. Guarapiranga, 900 – Vila Socorro
Das 7h às 22h

Tenda Atacado São Matheus
Av. Ragueb Chohfi, 1956 – Parque São Lourenço
Das 7h às 22h

Novelis e Vá de Lata coletam materiais recicláveis na Sapucaí

Durante os desfiles de Carnaval do RJ, campanha coletou, separou e tratou 30 toneladas de resíduos em cooperativa montada no sambódromo

Durante o Carnaval 2019 do Rio de Janeiro, o movimento Vá de Lata, com o apoio da Novelis, coletou 30 toneladas de resíduos durante os ensaios técnicos e desfiles da Marquês de Sapucaí, superando em mais de 100% a meta prevista de 14 toneladas. As latas de alumínio corresponderam a 66% do material coletado.

Segundo o movimento, com a reciclagem do material coletado, foram poupados cerca de 148 MWh de energia, o suficiente para abastecer mais de duas mil residências populares durante um mês, e 443 metros cúbicos de água, além de gerar uma economia de cerca de R$ 30 mil para o poder público com a destinação correta dos resíduos.

“Campanha coletou 19 toneladas de latinhas de alumínio”

O público que assistiu aos desfiles recebeu sacolas biodegradáveis e orientações sobre como separar lixo orgânico e reciclável durante a festa. A cada intervalo, as sacolas foram recolhidas por catadores de materiais recicláveis e levadas para uma esteira de separação alocada em uma cooperativa montada no setor A da Sapucaí. No local, o material foi separado, tratado e depois encaminhado para reciclagem. Cerca de 85 catadores, da Associação de Catadores do Aterro Metropolitano de Jardim Gramacho, trabalharam no projeto.

De acordo com Eunice Lima, diretora de Comunicação e Relações Governamentais da Novelis América do Sul, apoiar iniciativas que promovam a reciclagem faz parte da estratégia da Novelis e de seu compromisso com a sustentabilidade. “A empresa é a maior recicladora de alumínio do mundo e iniciativas como essa fomentam o processo de economia circular”, destaca.

Colorado lança novo formato de lata no mercado de cerveja

Com produção 100% nacional, latinha de alumínio de 410 ml traz revestimento especial

Com volume inédito no País, 410 mililitros, a nova lata de alumínio da cerveja Appia, formato X-Sleek, inova por não ser tão fina como a Sleek e nem tão larga como Standard. A novidade foi desenvolvida pela Ball Embalagens para Bebidas América do Sul, com exclusividade para a marca Colorado.

img-int-mat-colorado-410ml-jan2019O formato, diferente de todos existentes no mercado mundial, conta ainda com revestimento especial em HD (impressão High Definition) e aplicação de verniz fosco no rótulo, para atender à expectativa de um produto premium.

Segundo Claudemir Coelho, diretor de engenharia da Ball, a proposta do X-Sleek 410 ml é uma criação 100% brasileira. “O projeto foi todo desenvolvido no País, em nossa fábrica de Pouso Alegre (MG). Os equipamentos foram adaptados para a nova produção e diversos testes foram realizados. A partir daí, produzimos 50 amostras iniciais. A inovação foi então oferecida com exclusividade ao nosso cliente que ficou encantado com a proposta e embarcou de cabeça no projeto”, explica.

A novidade deve ampliar a adoção de latas de alumínio pela indústria de bebidas, o que favorece o constante aumento de volume de latinhas recicladas no País. Em 2018, 97,3% das embalagens de alumínio para bebidas retornaram para o ciclo produtivo, fazendo com que o País mantivesse a posição de liderança mundial. Devido às propriedades do alumínio (100% reciclável) e ao contínuo desenvolvimento do processo de reciclagem, em até 60 dias as embalagens são coletadas, recicladas e novas latas chegam aos pontos de venda.

Embalagens recicláveis ganham novos aliados

Em 2019, Frente Parlamentar debaterá Tributação Verde como estímulo econômico para a reciclagem   

Com o objetivo de discutir propostas de utilização de mecanismos que intensifiquem a economia circular, a partir de 2019, desenvolvimento econômico e preservação do meio ambiente serão temas de um foro específico na Câmara dos Deputados. A Frente Parlamentar pela Criação de Estímulos Econômicos para a Preservação do Meio Ambiente, voltada para a busca de alternativas capazes de colocar o país em um novo patamar de sustentabilidade, será forte aliada da proposta de Tributação Verde.

Para o presidente executivo da Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas), Renault Castro, a medida beneficiará toda a economia, impactando positivamente também a sociedade. “A proposta da Tributação Verde é orientar o desenvolvimento econômico sustentável do país, utilizando instrumentos tributários para fazer com que os preços de mercado dos diversos bens e serviços reflitam seus custos sociais e ambientais, além dos custos materiais, de produção e de comercialização, sem elevação de impostos”, explica.

“Apesar de índice de reciclagem próximo a 100%, lata de alumínio para bebidas paga tributos iguais às embalagens concorrentes”

A criação da Frente foi motivada por uma iniciativa da Abralatas, que realizou campanha com parceiros nos âmbitos público e privado e reuniu apoio de 27 entidades representativas a um manifesto lançado em julho deste ano. O documento defende a regulamentação de dispositivos constitucionais sobre defesa e preservação ambiental, mediante estímulos econômicos diferenciados, de acordo com o impacto ambiental das cadeias produtivas dos diversos bens e serviços, a chamada Tributação Verde, incluindo aperfeiçoamentos da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), em vigor desde 2010.

“No Brasil, a reciclagem sequer é considerada como atenuante para a determinação da carga tributária. A lata de alumínio para bebidas tem um índice de reciclagem dos maiores do mundo, próximo de 100%, há mais de 10 anos. Isso gera benefícios econômicos, sociais e ambientais, e mesmo assim paga-se tributos iguais às embalagens concorrentes, cujos índices são de cerca de 50% e 20%”, complementa Renault.

Um dos temas que serão debatidos pela Frente Parlamentar é a atualização do Projeto de Lei Complementar (PLP) 493/09, de autoria do deputado Antonio Carlos de Mendes Thame. A proposta “regulamenta o tratamento diferenciado dos produtos e serviços e de seus processos de elaboração e prestação em razão do impacto ambiental que causem (…)”. Também será avaliado o PLP 73/07, dos deputados Mendes Thame e Luiz Carlos Hauly, que propõe uma reformulação tributária ecológica.

Brasil recicla mais de 295 mil toneladas de latas de alumínio

97,3% das embalagens de alumínio para bebidas retornaram para o ciclo produtivo, em 2017, e País mantém posição de liderança mundial

Quase todas as latas de alumínio para bebidas vendidas em 2017 retornaram para o ciclo produtivo, alcançando um índice de 97,3% de reciclagem. Das 303,9 mil toneladas de latas de alumínio para bebidas colocadas no mercado em 2017, 295,8 mil toneladas foram recolhidas e recicladas. Desde 2004, o índice se mantém acima dos 90%, colocando o país entre os líderes mundiais da reciclagem dessa embalagem.

Os números foram anunciados pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas) e pela Associação Brasileira do Alumínio (Abal), durante o lançamento, em Brasília (DF), da Frente Parlamentar visando à criação de estímulos econômicos para a preservação do meio ambiente, realizado em 5 de dezembro.

cover_photo_v01

O presidente executivo da Abal, Milton Rego, lembra que, mesmo diante das adversidades, o setor não deixa de investir, destacando que, apesar da forte retração econômica que o país sofre desde 2015, a reciclagem de alumínio está em plena expansão no Brasil.  “As duas maiores empresas do segmento, a Novelis e o Grupo ReciclaBR, nossas associadas, acabam de anunciar planos importantes para o ano que vem. O Grupo ReciclaBR vai inaugurar novos centros de coleta no país e uma planta de fundição em Minas Gerais. Já a Novelis, investirá R$ 650 milhões em sua fábrica em Pindamonhangaba (SP). Movimentos assim é que garantem a liderança mundial do Brasil no índice de reciclagem de latas”, conclui o executivo.

Para Mário Fernandez, Coordenador do Comitê de Reciclagem da ABAL e CEO do Grupo Recicla BR, o índice de reciclagem mostra a significativa participação da cadeia da lata do alumínio na Economia Circular.  “E no que depender do Grupo ReciclaBR, iremos contribuir para a manutenção do alto índice de reciclagem, pois temos sólidos investimentos planejados”, completa.

O índice elevado revela não só a eficiência do processo de reciclagem dessas embalagens no país, mas também evidencia os benefícios dessa prática sustentável. Estudos mostram que o processo consome apenas 5% da energia que seria utilizada na produção da mesma quantidade de alumínio primário. A Análise de Ciclo de Vida da lata aponta também que a reciclagem reduz em 95% a emissão de gases de efeito estufa.

Na área social, a atividade reflete na geração de emprego e renda para os catadores de materiais recicláveis, além de estimular maior consciência da sociedade sobre a importância da reciclagem e da conservação dos recursos naturais. Somente na etapa da coleta da latinha, R$ 1,2 bilhão foram injetados diretamente na economia brasileira em 2017. O montante corresponde a 1,2 milhão de salários mínimos ou a remuneração de 1 salário mínimo por mês para a população de uma cidade com cerca de 100 mil habitantes, como Araxá (MG) ou Assis (SP) ou Paulínia (SP).

Inovação potencializa sustentabilidade da latinha de alumínio

Cervejaria dinamarquesa substitui teia de plástico por cola especial para agrupar latas comercializadas na Europa

Mais uma inovação em embalagem promete potencializar as vantagens das latas de alumínio para bebidas em relação à reciclagem. Além de usar as latinhas 100% recicláveis, a cervejaria dinamarquesa Carlsberg adota uma  nova forma de comercializar a bebida, numa tentativa de reduzir até 76% o plástico utilizado nas embalagens.

Para isso, a Carlsberg substituiu as embalagens de plástico por uma cola especial que dispensa a tradicional teia de plástico utilizada para reunir as latinhas que são vendidas em conjunto.

Segundo a empresa, a cola perde sua propriedade adesiva depois que as latas são separadas e o produto não grude na mão. As seis latinhas grudadas ainda têm uma pequena alça de plástico, para facilitar o transporte.

A nova embalagem,  chamada Snap Pack, foi lançada no Reino Unido e na Noruega e deve achegar a outros países onde a cerveja Carlsberg é distribuída.

Especialistas destacam o potencial de reciclagem do alumínio

8o Congresso Internacional do Alumínio debate a participação das embalagens na economia sustentável

Flexibilidade, praticidade, proteção e sustentabilidade. Essas foram as propriedades do alumínio destacadas por palestrantes no painel Embalagens do 8o Congresso Internacional do Alumínio, promovido pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), de 3 a 5 de setembro, em São Paulo.

 

Além do alumínio favorecer o desenvolvimento de novas embalagens, oferecer comodidade e segurança ao consumidor, o potencial de reciclagem do metal foi destaque. Ao abordar o tema Tendências de Embalagens, Naira Sato, diretora de Categorias Mintel, apresentou dados estatísticos que reforçam a importância do alumínio para o desenvolvimento de embalagens que atendam as demandas do consumidor que prioriza a sustentabilidade.

 

Ao ressaltar que a reciclagem é a peça chave da economia circular, Sato, especialista em análise e pesquisa de mercado, afirmou que 94% dos consumidores globais querem reciclar e valorizam produtos recicláveis e reciclados. E 78% valorizam a embalagem que traz a mensagem reciclável ou produzida com produtos recicláveis.

 

As latas de alumínio, por exemplo, foram citadas como as mais utilizadas para bebidas – alcoólicas, refrigerantes, sucos -, devido à possibilidade de criar embalagens de diferentes formatos e tamanhos, à comodidade oferecida ao consumidor e ao alto potencial de reciclagem. Como exemplo, Sato citou o caso das cervejas artesanais dos Estados Unidos, mercado no qual cresce o uso das latas de alumínio, embalagens anteriormente consideradas “não-artesanais” e incompatíveis com o volume de produção das microcervejarias.

 

Café sustentável

A também palestrante Claudia Leite, Coffe Ambassador América Latina Nespresso, ressaltou a importância de a marca optar pelas cápsulas de alumínio como embalagem das doses individuais de café. Somada à proteção do sabor e aroma da bebida, o alumínio destaca-se entre os demais materiais por ser 100% reciclável. Uma propriedade que, segundo Leite, atende às políticas sustentáveis adotadas pela marca.

Ao lembrar que a reciclagem do alumínio consome 95% menos energia do que a produção de alumínio virgem e 75% do metal produzido no mundo ainda está em uso, Leite destacou a importância de ampliar a quantidade de cápsulas recicladas. No Brasil, em 2016, ano de chegada da marca, 8,6% das cápsulas foram recicladas; em 2017, o volume passou para 13%; e em 2018 a marca já registra 17%.

A Nespresso tem como meta a reciclagem de 75% das cápsulas de alumínio, que são entregues pelos consumidores em 71 pontos de coleta espalhados pelo País.