img-ext-mat-reciclagem-2018

Brasil recicla mais de 295 mil toneladas de latas de alumínio

97,3% das embalagens de alumínio para bebidas retornaram para o ciclo produtivo, em 2017, e País mantém posição de liderança mundial

Quase todas as latas de alumínio para bebidas vendidas em 2017 retornaram para o ciclo produtivo, alcançando um índice de 97,3% de reciclagem. Das 303,9 mil toneladas de latas de alumínio para bebidas colocadas no mercado em 2017, 295,8 mil toneladas foram recolhidas e recicladas. Desde 2004, o índice se mantém acima dos 90%, colocando o país entre os líderes mundiais da reciclagem dessa embalagem.

Os números foram anunciados pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas) e pela Associação Brasileira do Alumínio (Abal), durante o lançamento, em Brasília (DF), da Frente Parlamentar visando à criação de estímulos econômicos para a preservação do meio ambiente, realizado em 5 de dezembro.

cover_photo_v01

O presidente executivo da Abal, Milton Rego, lembra que, mesmo diante das adversidades, o setor não deixa de investir, destacando que, apesar da forte retração econômica que o país sofre desde 2015, a reciclagem de alumínio está em plena expansão no Brasil.  “As duas maiores empresas do segmento, a Novelis e o Grupo ReciclaBR, nossas associadas, acabam de anunciar planos importantes para o ano que vem. O Grupo ReciclaBR vai inaugurar novos centros de coleta no país e uma planta de fundição em Minas Gerais. Já a Novelis, investirá R$ 650 milhões em sua fábrica em Pindamonhangaba (SP). Movimentos assim é que garantem a liderança mundial do Brasil no índice de reciclagem de latas”, conclui o executivo.

Para Mário Fernandez, Coordenador do Comitê de Reciclagem da ABAL e CEO do Grupo Recicla BR, o índice de reciclagem mostra a significativa participação da cadeia da lata do alumínio na Economia Circular.  “E no que depender do Grupo ReciclaBR, iremos contribuir para a manutenção do alto índice de reciclagem, pois temos sólidos investimentos planejados”, completa.

O índice elevado revela não só a eficiência do processo de reciclagem dessas embalagens no país, mas também evidencia os benefícios dessa prática sustentável. Estudos mostram que o processo consome apenas 5% da energia que seria utilizada na produção da mesma quantidade de alumínio primário. A Análise de Ciclo de Vida da lata aponta também que a reciclagem reduz em 95% a emissão de gases de efeito estufa.

Na área social, a atividade reflete na geração de emprego e renda para os catadores de materiais recicláveis, além de estimular maior consciência da sociedade sobre a importância da reciclagem e da conservação dos recursos naturais. Somente na etapa da coleta da latinha, R$ 1,2 bilhão foram injetados diretamente na economia brasileira em 2017. O montante corresponde a 1,2 milhão de salários mínimos ou a remuneração de 1 salário mínimo por mês para a população de uma cidade com cerca de 100 mil habitantes, como Araxá (MG) ou Assis (SP) ou Paulínia (SP).

img-ext-mat-carlsberg-01

Inovação potencializa sustentabilidade da latinha de alumínio

Cervejaria dinamarquesa substitui teia de plástico por cola especial para agrupar latas comercializadas na Europa

Mais uma inovação em embalagem promete potencializar as vantagens das latas de alumínio para bebidas em relação à reciclagem. Além de usar as latinhas 100% recicláveis, a cervejaria dinamarquesa Carlsberg adota uma  nova forma de comercializar a bebida, numa tentativa de reduzir até 76% o plástico utilizado nas embalagens.

Para isso, a Carlsberg substituiu as embalagens de plástico por uma cola especial que dispensa a tradicional teia de plástico utilizada para reunir as latinhas que são vendidas em conjunto.

Segundo a empresa, a cola perde sua propriedade adesiva depois que as latas são separadas e o produto não grude na mão. As seis latinhas grudadas ainda têm uma pequena alça de plástico, para facilitar o transporte.

A nova embalagem,  chamada Snap Pack, foi lançada no Reino Unido e na Noruega e deve achegar a outros países onde a cerveja Carlsberg é distribuída.

img-mat-cafe-nespresso-out2018

Especialistas destacam o potencial de reciclagem do alumínio

8o Congresso Internacional do Alumínio debate a participação das embalagens na economia sustentável

Flexibilidade, praticidade, proteção e sustentabilidade. Essas foram as propriedades do alumínio destacadas por palestrantes no painel Embalagens do 8o Congresso Internacional do Alumínio, promovido pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), de 3 a 5 de setembro, em São Paulo.

 

Além do alumínio favorecer o desenvolvimento de novas embalagens, oferecer comodidade e segurança ao consumidor, o potencial de reciclagem do metal foi destaque. Ao abordar o tema Tendências de Embalagens, Naira Sato, diretora de Categorias Mintel, apresentou dados estatísticos que reforçam a importância do alumínio para o desenvolvimento de embalagens que atendam as demandas do consumidor que prioriza a sustentabilidade.

 

Ao ressaltar que a reciclagem é a peça chave da economia circular, Sato, especialista em análise e pesquisa de mercado, afirmou que 94% dos consumidores globais querem reciclar e valorizam produtos recicláveis e reciclados. E 78% valorizam a embalagem que traz a mensagem reciclável ou produzida com produtos recicláveis.

 

As latas de alumínio, por exemplo, foram citadas como as mais utilizadas para bebidas – alcoólicas, refrigerantes, sucos -, devido à possibilidade de criar embalagens de diferentes formatos e tamanhos, à comodidade oferecida ao consumidor e ao alto potencial de reciclagem. Como exemplo, Sato citou o caso das cervejas artesanais dos Estados Unidos, mercado no qual cresce o uso das latas de alumínio, embalagens anteriormente consideradas “não-artesanais” e incompatíveis com o volume de produção das microcervejarias.

 

Café sustentável

A também palestrante Claudia Leite, Coffe Ambassador América Latina Nespresso, ressaltou a importância de a marca optar pelas cápsulas de alumínio como embalagem das doses individuais de café. Somada à proteção do sabor e aroma da bebida, o alumínio destaca-se entre os demais materiais por ser 100% reciclável. Uma propriedade que, segundo Leite, atende às políticas sustentáveis adotadas pela marca.

Ao lembrar que a reciclagem do alumínio consome 95% menos energia do que a produção de alumínio virgem e 75% do metal produzido no mundo ainda está em uso, Leite destacou a importância de ampliar a quantidade de cápsulas recicladas. No Brasil, em 2016, ano de chegada da marca, 8,6% das cápsulas foram recicladas; em 2017, o volume passou para 13%; e em 2018 a marca já registra 17%.

A Nespresso tem como meta a reciclagem de 75% das cápsulas de alumínio, que são entregues pelos consumidores em 71 pontos de coleta espalhados pelo País.

 

img-ext-mat-economia-circular

Folha de alumínio favorece economia circular

100% reciclável, materia-prima de embalagens protege produtos e colabora para a redução de desperdício

Na construção de uma economia circular, modelo que prevê o retorno à cadeia produtiva de produtos e materiais por meio de um processo de recuperação e regeneração, o alumínio é um forte aliado. O metal, 100% reciclável, está presente em diversas embalagens, sendo o campeão de reaproveitamento de latinhas de alumínio para bebidas, que em até 60 dias são coletadas, recicladas e novas latas chegam aos pontos de venda.

O papel da embalagem numa economia sustentável vai além de sua capacidade de reciclagem, como ressalta Assunta Napolitano Camilo, diretora da FuturePack – Consultoria de Embalagens e do Instituto de Embalagens: “A embalagem protege o produto, o identifica. Pode comprometer a segurança e a qualidade se mal dimensionada. Uma boa embalagem aumenta a vida de prateleira (shelf life) do alimento. O papel da embalagem é proteger o produto com os recursos adequados, sem desperdício de material, e orientar o consumidor a separá-la para a reciclagem”.

“Além de 100% reciclável, embalagem
de alumínio aumenta a vida de prateleira do produto”

Portanto, a participação da embalagem no processo de economia circular vai desde o projeto , que deve priorizar o cumprimento de suas funções, como destaca Assunta Camilo, até a revalorização de seu material após o consumo.

“Ao escolhermos materiais que sejam possíveis retornar ou reciclar, estamos poupando recursos e minimizando os resíduos. A escolha tem que levar em consideração a barreira adequada para as condições desejadas para aquele produto”, afirma a diretora do Instituto de Embalagem, que cita a colaboração da folha de alumínio por agir como barreira à luz, à agua, a vapor, a gases.

No Brasil, segundo Assunta Camilo, falta educar o consumidor para que ele entenda a contribuição das embalagens para sua vida. “Na Alemanha e na Inglaterra, por exemplo, cresce a opção por embalagens que impactem menos na natureza. As embalagens informam até a pegada de carbono. Muitos optam por embalagens em um só material para ser mais fácil de reciclar ou as que façam parte de programas de logística reversa”, conclui.

img-ext-mat-consumidores-online

Consumidores online valorizam as embalagens

Estudo aponta crescimento da compra via plataformas digitais e a importância da reciclagem e conveniência  

O Tetra Pak Index 2018 aponta o crescimento da conscientização da reciclagem como uma das principais  tendências de comportamento dos consumidores de alimentos e bebidas. Outro ponto de destaque apontado pela pesquisa global diz respeito à importância da conveniência das embalagens.

Os dados fazem parte de um estudo sobre a tendência da compra de alimentos e bebidas em plataformas digitais que passará por forte crescimento nos próximos anos. No mundo, o modelo de compra chamado de supermercado online movimenta, atualmente, US$ 44,5 bilhões, com projeção de crescimento de 17,4% até 2022. No Brasil, as vendas pelo canal registram US$ 75 milhões, com participação de 0,2%, quando relacionado aos demais canais de compra. Até 2022, a expectativa é que o canal online avance 6,5% no País.

“Compras online reforçam importância
de embalagens inteligentes”

Devido ao crescimento do supermercado online, a Tetra Pak projeta que as embalagens terão papel cada vez mais importante, com destaque para as embalagens inteligentes, que favorecem maior transparência e eficiência na cadeia de suprimentos e trazem novas possibilidades de interação e comunicação com o consumidor.

As embalagens inteligentes, por meio de códigos digitais, permitem que cada produto receba um identificador próprio. Os códigos podem ser lidos por dispositivos de escaneamento de dados ou por smartphones comuns.

As quatro principais tendências do consumo de alimentos e bebidas em supermercados online, segundo o estudo Tetra Pak Index 2018, são conveniência, sustentabilidade, personalização e exclusividade, tecnologia e desempenho.

img-ext-mat-reciclagem-novelis

Novelis amplia rede de coleta para reciclagem de alumínio

Novo centro tem sede em Minas Gerais e é o nono da empresa no Brasil

A Novelis expande sua rede de compra de material para reciclagem e inaugura seu nono Centro de Coleta com sede em Uberlândia, Minas Gerais. Na unidade, serão feitos os trabalhos preliminares de limpeza, prensagem, paletização e montagem dos fardos de sucata.

A empresa conta com uma unidade de negócios exclusivamente focada na expansão da compra de latas de alumínio pós consumo em centros de coleta espalhados pelo País: Salvador (BA), Recife (PE), Juiz de Fora (MG), São Paulo (capital), Pindamonhangaba (SP), Campinas (SP), Sertãozinho (SP) e Ananindeua (PA).

A ampliação tem o objetivo de aproximar a empresa de pequenos fornecedores de latas de alumínio

A abertura do novo centro de coleta fortalece a participação da Novelis no mercado de reciclagem de alumínio no Brasil. “Com a ampliação da capilaridade dos nossos centros de coleta, conseguimos nos aproximar dos pequenos fornecedores e cooperativas da região, o que facilita a compra de latas soltas e material prensado em pequenos volumes”, diz Carlos Morais, diretor de Suprimento de Metal da Novelis.

A empresa alcançou no ano fiscal 2018 a marca de 57% de insumos provenientes da reciclagem no total da sua produção global. “A capacidade de processamento de sucata da Novelis no Brasil é de 390 mil toneladas de alumínio por ano e acreditamos que, com a conscientização da população em relação à importância da reciclagem e desenvolvimento do mercado de alumínio no País, a tendência é que nossa capacidade continue crescendo”, conta Morais. Até o final do ano, a Companhia deve inaugurar outros 2 centros de coleta.

img-ext-mat-reciclagem28maio2018

Onde descartar latinhas e embalagens longa vida?

Aplicativo para celular indica postos de coleta e cooperativas de reciclagem em todo o País

As latinhas de bebidas,  as descartáveis de alumínio e as cartonadas assépticas (longa vida) são 100% recicláveis. Mas como localizar os locais adequados para descartar essas embalagens para que realmente sejam reaproveitadas?

logo-RotaReciclagemHá 10 anos, a Tetra Pak, fabricante de caixinhas longa vida, oferece um  serviço aos consumidores que facilita a busca de  postos de coleta e cooperativas em todo o Brasil: a plataforma Rota da Reciclagem.

Este ano a Rota da Reciclagem ganhou a atendente virtual “Flora”, uma tecnologia desenvolvida para o aplicativo Messenger para celular, do Facebook, tornando a  busca ainda mais simples.

O consumidor só precisa abrir o aplicativo e procurar o Rota da Reciclagem. A partir daí a atendente virtual interage com o usuário, que deve compartilhar a sua localização e responder às perguntas formuladas, como por exemplo informar se pretende vender ou doar os seus materiais recicláveis.

Campeãs de reciclagem

No Brasil, em cerca de 30 dias, uma latinha de alumínio pode ser comprada no supermercado, utilizada, coletada, reciclada e voltar às prateleiras para o consumo. Há anos o Brasil destaca-se como líder mundial.

Mas o que faz da latinha de alumínio para bebidas ser a campeã em reciclagem? Vários fatores. Entre eles estão facilidade de coleta, transporte e venda, o alto valor da sucata de alumínio e a grande disponibilidade das latas de alumínio.

Longa vida para as cartonadas

O processo de reciclagem das cartonadas assépticas, conhecidas por longa vida, não produz matéria-prima para a produção de novas embalagens, como acontece com as latinhas. Mas o material reciclado é utilizado para produzir, por exemplo, telhas e paletes de plástico reciclado.

 

img-ext-aluminio-isopor

Embalagem descartável, de alumínio ou isopor?

Além  de praticidade na cozinha e conservação dos alimentos, embalagens de alumínio são as campeãs em reciclagem

Quais as vantagens das embalagens descartáveis de alumínio em comparação às de isopor? Além de serem infinitamente recicláveis, são as únicas capazes de proteger os alimentos contra a ação da luz, do oxigênio e da umidade, preservando o sabor, os nutrientes e a qualidade dos alimentos.

“E ainda resistem a todas variações de temperatura exigidas durante a utilização, desde o congelamento até o calor extremo do cozimento”, como lembra Cadu Migliorini, responsável pelo Marketing do Grupo Wyda. Propriedade que permite o uso das descartáveis no forno tradicional e no micro-ondas, podendo ser levadas diretamente à mesa.

“Descartáveis protegem os alimentos
e são 100% recicláveis”

Ao serem 100% recicláveis, as descartáveis de alumínio ajudam na sustentabilidade do planeta. Pratos, bandejas e formas de alumínio são facilmente destinadas ao lixo reciclável.

Assim como os demais produtos de alumínio, as embalagens usadas são separadas e compactadas para serem enviadas para a reciclagem. Ao consumidor, basta retirar o excesso da sujeira da embalagem com um guardanapo, por exemplo, e descartá-la corretamente no lixo para coleta seletiva.

Para informar o consumidor sobre essas vantagens, o fabricante de embalagens Wyda produziu o vídeo abaixo que destaca as embalagens de alumínio como aliadas dos consumidores preocupados com a preservação da natureza.

img-ext-carnaval-lata

Alas abertas para a reciclagem de latinha de alumínio

Consumo de bebidas no Carnaval faz cooperativas de catadores projetarem aumento de até 40% na coleta de embalagens  

Chegou aquela época do ano muito aguardada por quem adora uma folia. Mas o Carnaval é um grande momento também para os milhares de catadores que fazem do Brasil uma referência mundial em reciclagem de latinhas.

Entre marchinhas, fantasias, plumas e paetês, eles trabalham duro para aproveitar a melhor época do ano para catar latinhas. O alto consumo de bebidas e as grandes aglomerações de foliões aumentam muito a quantidade do material à disposição. De acordo com a Abralatas (Associação Brasileira de Produtores de Lata de Alumínio para Bebidas), durante o Carnaval a coleta de latinhas costuma aumentar entre 20% e 30% em relação a um mês comum.

A importância do feriado é tamanha que em cidades como Salvador (BA), por exemplo, há mobilização especial para a coleta. Há doze anos cooperativas de catadores atuam em conjunto para aproveitar ao máximo o Carnaval. Cerca de 1100 deles vão às ruas, ajudando a deixá-las mais limpas, beneficiando o meio ambiente e gerando recursos.

“E esses são apenas os catadores que participam oficialmente do projeto para o Carnaval. Há ainda aqueles que atuam por conta própria”, explica Jeane dos Santos, mobilizadora da Rede Cata Bahia Metropolitana. “O Carnaval é o melhor momento do ano para nós, que coletamos as latinhas tanto nas ruas quanto nos camarotes.”

Jeane conta que as festas de pré-Carnaval em Salvador já deram uma amostra daquilo que reserva o feriado deste ano. “Ainda não fechamos os números, mas calculo que coletamos uns 20% a mais que no ano passado”, diz a catadora. “No Carnaval, acredito que chegaremos a 40% a mais em comparação com 2017”.

Cerca de 1100 catadores estarão nas ruas durante o Carnaval de Salvador

Em Natal (RN), ainda não há uma mobilização específica para o Carnaval, mas sem dúvida o feriado também é muito importante para os catadores. “O Carnaval de rua de Natal ainda é pequeno em comparação com Salvador. Mas sabemos que aumenta muito a quantidade de latinhas coletadas”, diz Severino Lima Júnior, presidente da Cocamar, cooperativa com cerca de 75 catadores que atua desde 2007 na cidade.

Um bom indício desse crescimento é, para Severino, os números registrados no Carnatal, a folia oficial pré-Carnaval da cidade. “É a nossa referência, e neste ano coletamos quase o dobro de latinhas em relação ao ano passado”, conta Severino. “Foram cerca de 3,6 toneladas de latinhas.”

Severino avalia que, neste ano, o folião foi ao evento mais preparado e disposto a consumir: “Foi diferente do ano passado, quando sentimos uma retração no consumo.”

img-ext-materia-reciclagem-novelis

Novelis amplia investimento em cooperativas de catadores

Em nova parceria, empresa pretende aperfeiçoar apoio à profissionalização da coleta de materiais recicláveis

Para ampliar sua atuação de apoio ao desenvolvimento de cooperativas de catadores de materiais recicláveis, a Novelis firmou parceria com o Instituto Coca-Cola Brasil. Durante três anos, a empresa e a instituição vão trabalhar em conjunto, trocando experiências e promovendo o compartilhamento de tecnologias de gestão de cooperativas e treinamento de catadores.

Para Eunice Lima, diretora de Comunicação e Relações Governamentais da Novelis América do Sul, “a união de forças irá favorecer o fortalecimento das cooperativas como Negócio. Além de estimular a autoestima dos profissionais, o projeto também incentiva os catadores a identificarem novas oportunidades dentro do negócio da reciclagem”.

“Empresa já investiu mais de R$ 430 mil em 15 cooperativas da cidade de São Paulo”

Desde 2013, a Novelis atua com o projeto Gestão Solidária e Crescimento Consciente, em parceria com a ONG Reciclázaro, em 15 cooperativas da cidade de São Paulo. Mais de R$ 430 mil já foram investidos em melhoria da gestão das cooperativas, bem como em qualificação dos catadores por meio de treinamentos em práticas de segurança, em conceitos sobre alimentação segura e hábitos de higiene.

De acordo com dados do CEMPRE (Compromisso Empresarial para Reciclagem) de 2013, aproximadamente 800 mil pessoas atuam como catadores de materiais recicláveis no Brasil. Deste total 30 mil fazem parte de 1.175 cooperativas e são responsáveis pela separação diária de mais de 2,3 mil toneladas de resíduos recicláveis.