img-externa-materia-blister

Impressão de blister destaca medicamentos OTC nas gôndolas

Tecnologia permite o uso de até 10 cores na produção da embalagem de alumínio impressa nas duas faces

Os medicamentos que exigem embalagens que garantam conservação dos princípios ativos são protegidos pelo blister de folha de alumínio, que ainda pode trazer impressões diversificadas com o uso da tecnologia coldform impresso.

“Com a impressão, os laboratórios que possuem medicamentos OTC (Over the Counter) podem expor seus produtos de forma diferenciada nas gôndolas”, explica Marcus Correa, gerente de Marketing & Pricing da Bemis. pioneira na aplicação da tecnologia no mercado brasileiro.

Segundo Correa, com o uso de impressora de rotogravura, o blister pode ser impresso em até 10 cores, o que oferece flexibilidade para a criação de diferentes embalagens. Como exemplo, o gerente cita o adotado pelo medicamento para enxaqueca da marca Doril, da Hypermarcas.

img-interna-materia-blister

O medicamento é o primeiro a utilizar a tecnologia no Brasil, que possibilita usar as duas faces do blister para a comunicação com o consumidor, incluindo a bolha formada para acomodar o produto, oferecendo mais visibilidade aos disponibilizados sem receita médica.

“Cada princípio ativo dos medicamentos possui interação diferenciada com a embalagem e o ambiente, porém pode-se assegurar que o codlform é a que propicia a melhor barreira. Além dos OTC, normalmente os medicamentos indicados para tratamento neurológicos, cardíacos e diabetes utilizam a essa solução”, afirma Correa.

O gerente ainda ressalta mais um benefício do codlform: “Na produção e impressão a estrutura possibilita melhor estabilidade durante o processo de conversão. Ou seja, a estrutura garante níveis de performances que não impactam em maiores perdas ou dificuldade de utilização durante o envase”.

destaque-2b

Embalagem segura

“Efeito memória” de bisnagas de alumínio evita contaminação de cremes e pomadas

Ao pressionar uma bisnaga de alumínio contendo produtos semissólidos (cremes e pomadas), o consumidor evita o risco de utilizar um produto contaminado pela oxidação.

Isso porque a embalagem de alumínio é a única bisnaga colapsível, de deformação permanente, conhecida como efeito memória. O diferencial impede a entrada do oxigênio responsável pela degradação do produto ou anulação dos efeitos de sua composição.

“Produzida com alumínio primário, embalagem protege produtos semissólidos da contaminação”

Essa característica única do alumínio, somada à proteção de exposição do medicamento à luz, faz com que de 70% a 80% dos laboratórios farmacêuticos optem pelo envase dos semissólidos em bisnagas de alumínio, segundo Sergio Rolão, diretor de Vendas e Marketing da Impacta, fabricante líder do mercado nacional.

Além das propriedades do metal, o processo de fabricação reforça a garantia de seguraça. Rolão explica que as embalagens são produzidas com discos de alumínio primário puro, o que impede perfurações, em processo totalmente automatizado, sem qualquer contato manual.

img-embalagem-segura-destaque

À prova de contaminação

Bisnagas de alumínio impedem oxidação de medicamentos semissólidos

As bisnagas de alumínio extrudadas são utilizadas no envase de 70% a 80% dos produtos  semissólidos (cremes e pomadas), de acordo com Sergio Rolão, diretor de vendas e Marketing da Impacta, fabricante líder no mercado nacional, que aponta a embalagem como a mais utilizada pela indústria farmacêutica.

Segundo Fernando Wongtschowski, gerente de Marketing e Desenvolvimento de Produto da Novelis, dados da Datamark apontam a produção de 836 milhões de unidades no País, em 2015.

“Fabricada com alumínio de alto teor de pureza e revestida internamente com verniz epóxi-fenólico,  a embalagem é totalmente estanque, o que garante o maior tempo de vida útil do produto embalado, quando  comparada a outras alternativas”, garante Rolão.

Além das propriedades do metal, como proteção aos efeitos de luz e umidade, Rolão destaca o fato de a embalagem ser colapsível, de deformação permanente, o que não permite a entrada de oxigênio, evitando a oxidação e degradação dos componentes das fórmulas dos medicamentos.

“Embalagem colapsível protege cerca de 80% de cremes e pomadas produzidos no País”

Os variados diâmetros dos slugs, discos de alumínio utilizados para a produção da embalagem, permitem o acondicionamento de 3g a 180g de produtos semissólidos. Em relação à materia-prima dos discos, o alumínio primário puro é indispensável, segundo Rolão, para obter uma parede contínua e sem perfurações.

“Mantendo fixo o diâmetro de cada apresentação, pode-se ajustar o comprimento para acondicionar perfeitamente o produto de cada cliente”, explica o diretor da Impacta, cujas linhas de produção são automáticas e integradas, sem qualquer contato manual.