img-ext-mat-patagonia

Cervejaria Argentina traz bebida em lata ao Brasil

 

Patagonia inova com embalagem de alumínio que vai dividir as gôndolas com as cervejas em garrafas da marca

Os consumidores brasileiros ganham mais uma opção de cerveja em lata. A cervejaria  Patagonia traz ao Brasil a Amber Lager  em embalagem de alumínio. Até então, a marca argentina apenas comercializava no País cervejas em garrafas.

A primeira receita da marca, feita com lúpulos plantados e colhidos em sua fazenda localizada em Fernandez Oro, na Patagônia Argentina, foi a escolhida para disponibilizar a novidade em lata de 473 mililitros .

img-ext-mat-lata-aluminio-gela-sozinha

Nos EUA, lata de alumínio para bebidas gela sozinha

Inovação liberta consumidores da dependência de refrigeradores e gelo, em especial em atividades esportivas e de lazer

Consumir bebida gelada em qualquer lugar, sem depender de refrigerador ou gelo, já é possível nos Estados Unidos. A empresa The Joseph Company, da Califórnia, acaba de lançar “a primeira lata do mundo que gela sozinha”.

Para gelar a bebida, basta virar a embalagem de cabeça para baixo e girar uma pequena peça plástica  acoplada na base da lata de alumínio, em um intervalo de 75 a 90 segundos a temperatura cai cerca de 16 graus.

“Consumidores em zonas com refrigeração limitada, participantes de atividades como camping, pesca ou navegação, e pequenos comerciantes entenderão o impacto que a autorrefrigeração representa hoje em dia para a sociedade”, diz Mitchell J. Joseph, CEO da empresa.

O primeiro produto a adotar a nova lata de 250 ml é a Fizzics Sparkling Cold Brew Coffee, uma linha de café gelado gaseificado da rede de lojas de conveniência 7-Eleven.

img-ext-cerveja-becks

Cervejaria alemã lança bebida em taça de alumínio

Inovação favorece consumo de cerveja em lata em eventos e festas

A Beck’s, marca alemã de cerveja da AB InBev, em parceria com a agência Serviceplan, aproveitou a flexibilidade do alumínio para lançar uma inovadora embalagem de cerveja: latinha em formato de taça  de champanhe, em alumínio escovado com gravação a laser e analógica para compor o rótulo.

O objetivo da inovação é levar a cerveja em lata para locais onde não é tradicionalmente consumida, como galerias de arte, concertos de música clássica e outros eventos na Alemanha.

Devido à boa aceitação, a Beck’s deverá lançar as taças de alumínio para cervejas em todo o mundo.

img-ext-ciadolacre

Peças feitas com lacres de alumínio ganham o mundo

Associação exporta 80% da produção de artigos de vestuário e decoração, ao reutilizar lacres de alumínio de latas de bebidas e alimentos

O uso do alumínio em latinhas de bebidas revolucionou mercado e indústria. Seus benefícios, porém, vão além dos proporcionados ao meio ambiente e aos consumidores. Já se ramificaram por diversas atividades, por exemplo na reutilização do material em artigos de vestuário e decoração.

Criada há 17 anos, a Cia do Lacre prova como um item extremamente simples – o lacre das latinhas – pode originar os mais variados e curiosos produtos. A cooperativa de Riacho Fundo, com sede em Brasília, começou a chamar a atenção ao conquistar vários clientes no exterior com seu artesanato.

Hoje, 30 mulheres associadas trabalham para transformar cerca de cinco toneladas de lacres de alumínio em vestidos, mochilas, colares, bolsas, capas para almofadas, porta-moedas e carteiras. Elas recebem latinhas de vários pontos do Brasil e também vão a centros de reciclagem comprar o material.

img-int-ciadolacre

“Adquirimos o material e fazemos todo o trabalho de separação dos lacres. Porque vem lacre sujo, quebrado, arranhado. Esses não podemos utilizar e devolvemos para reciclagem. Ou seja, é reaproveitado de uma maneira ou de outra”, explica Maria Madalena Lopes, presidente da Cia do Lacre e integrante da associação desde seu início.

Madalena aponta as várias vantagens do uso do alumínio. “A maior delas é a relacionada à questão ambiental, claro. Você tira de circulação um tipo de lixo que, sozinho, demoraria muito tempo para se degradar. Além disso, podemos usar o alumínio em vários materiais diferentes. Por meio do crochê, é possível utilizar os lacres para enfeitar peças de couro, lona de caminhão e borracha, por exemplo”, diz Madalena.

Hoje, a Cia do Lacre trabalha principalmente com encomendas, e, embora o Brasil seja o campeão mundial de reciclagem de latinhas com um índice de 98%, a cooperativa exporta cerca de 80% do que produz. “No Brasil, vendemos mais quando vamos a eventos e exposições. Aqui ainda existe uma certa dificuldade em entender a necessidade da reciclagem. Por isso, além do nosso trabalho, frequentemente visitamos escolas para conscientizar os jovens sobre a questão”, conta a artesã.

É possível conferir o trabalho da Cia do Lacre, e encomendar produtos, pelo site http://www.ciadolacre.com

img-ext-no-more-tea-bags

Empresa britânica inova com chá em embalagem aerossol

 

Propriedades isolantes do alumínio foram determinantes para criação do produto em spray

Grandes consumidores de chá, os britânicos agora contam com uma invenção inusitada: chá em spray. O produto, criado pela empresa Yum Cha Drinks, é acondicionado em latas de aerossol feitas de alumínio.

Chamada de “No More Tea Bags” (algo como “saquinhos de chá nunca mais”), a criação dispensa os conhecidos saquinhos da bebida. Ao invés de encharcá-los, quem quiser tomar chá só precisa borrifá-lo em uma xícara ou copo e adicionar água ou leite.

img-int-no-more-tea-bags

A Yum Cha Drinks fica em Leatherhead, interior da Inglaterra, produz o equivalente a um enorme pote de chá concentrado e acondiciona a bebida em latas de alumínio, sendo que cada uma rende em torno de vinte xícaras.

Responsável pela criação e dono da empresa, Guy Woodall explica que optou pelas latas de alumínio por suas propriedades isolantes: “A embalagem nos permite trabalhar com um produto sem conservantes químicos, totalmente isolado do ambiente exterior”.

Outro atrativo mencionado por Woodall refere-se aos benefícios ao meio ambiente. “Lembre também que o alumínio é muito mais fácil de reciclar que o vidro”, diz ele, que à princípio utilizou garrafas de vidro para o “No More Tea Bags”.

Por enquanto, o chá em spray vem em três sabores, “English breakfast”, “Earl Grey” e “Jasmine” e está disponível apenas no Reino Unido. “Mas temos planos de expansão internacional. Já recebemos a aprovação de autoridades japoneses e esperamos enviar o primeiro carregamento até o Natal“, conclui.

img-ext-cervejas

Artistas criam estampas para latas de cervejas

Way Beer aproveita potenciais de design da latinha de alumínio para lançar embalagens diferenciadas

A cervejaria Way Beer, de Curitiba, vem inovando com a criação de bebidas com sabores peculiares e decidiu não parar aí: aproveitou os potenciais de design da lata de alumínio para bebidas para inovar também nos rótulos das das embalagens.

A “Pingado”, sabor café com leite, a “Catarina”, de pitanga e pitaya, e a “Sou Feia, Mas To Na Moda”, de aveia com aromas de frutas cítricas, são três lançamentos recentes da cervejaria. As bebidas vêm em latas de 473 ml que trazem rótulos atraentes e coloridos criados por diferentes artistas.

O projeto, chamado de “Way From Sketch”, conta com uma curadoria especial para encontrar artistas da cena independente de Curitiba. Eles têm a oportunidade de mostrar seus trabalhos para um público novo e Way Beer ganha rótulos bem diferentes dos habituais.

img-int-cerveja-pingado

A “Pingado” é uma cerveja tipo “Hazy Brown Ale” feita com grãos de café maturados em barris de cachaça. Seu rótulo foi desenvolvido pela designer Larissa Graboski e mostra o tradicional copo americano onde o café com leite é normalmente servido em bares e padarias.

img-int-cerveja-catarinaJá a “Catarina”, que homenageia a imperatriz russa Catarina, a Grande, é uma cerveja do tipo “Berliner Weisse” e ganhou um rótulo desenvolvido pelo artista Rimon Guimarães, autor de murais na Holanda, Gambia, Síria e Grécia.

img-int-cerveja-sou-feiaNo caso da “Sou Feia, Mas To na Moda”, cerveja tipo “NE IPA”, o rótulo recebeu a ilustração do artista Douglas Reder. Ele é conhecido como “Rederguod” e atua como designer, bodypainter e ilustrador.

“Passamos um briefing para o artista sobre as características da cerveja e ele pode criar livremente em cima das informações”, explica Alejandro Winocur, sócio-proprietário da Way Beer. “Nossa ideia foi fazer algo personalizado e bacana que ainda ajude o artista a disseminar suas obras. Queríamos uma ruptura com o usual”, completa o empresário.

Vendida principalmente em Curitiba e São Paulo, a Way Beer já está presente em ao menos três outros estados e também nos Estados Unidos. Novos rótulos do “Way From Sketch” estão previstos para o ano que vem,

 

img-ext-mat-latao-germania

“Latões” de chopp de vinho trazem praticidade ao consumidor

 

Latas de alumínio de 710ml favorecem consumo da bebida durante encontros com amigos e festas

No mercado internacional, o envase de vinhos em latas  já é uma realidade. Nos Estados Unidos e na Europa, as vinícolas apostam na popularização da bebida entre os jovens.

A novidade ainda não chegou ao Brasil, mas o formato acima de 700ml, “latões” utilizados para diferentes marcas de cerveja, já é a embalagem mais encontrada entre as bebidas que levam o vinho em sua composição.

Esse é o caso da Germania Vinhedo 58, lançada em 2016 na versão de 710 ml, que combina uva e cevada maltada, favorecendo o consumo da bebida em encontros de amigos e festas. Outras marcas de chopp de vinho também estão disponíveis em empórios e supermercados, como Grape Cool e Draft Wine, no formato de 350ml.

img-externa-vinho-em-lata

Lata de alumínio inova o mercado de vinho

Vinícolas internacionais investem em novo produto para conquistar os jovens

No mercado internacional, o envase de vinhos em latas de alumínio já é uma realidade. O produto, de 187ml a 500ml, é oferecido, por exemplo, pela fabricante de latas para bebidas norte-americana Ball, que aposta na popularização da bebida entre as novas gerações.

Segundo a empresa, hoje o consumo de vinho não se limita a ocasiões especiais. Também é consumido em momentos casuais de lazer. Um novo cenário que favorece o investimento em latinhas. Além da conveniência, a embalagem é inquebrável, hermética e à prova de luz,  o que garante proteção ao sabor e aroma da bebida. “O vinho em lata está na  moda em todo o mundo. Países como Estados Unidos, Itália, França e Nova Zelândia já produzem uma grande variedade desses vinhos. O produto emplacou no mercado para agradar um público mais jovem, entre 21  e 35 anos , que deseja encontrar facilidade na hora de consumir a bebida em festas na praia, camping e concertos de músicas. É uma busca, principalmente de países como os Estados Unidos, de inserir a cultura do vinho no jovem que não cresceu nesse mundo e enxerga o vinho como um produto elitizado e somente para pessoas mais velhas”, explica a sommeliere Marcia Anholeti.

“Estados Unidos, França, Itália e Nova Zelândia apostam nos consumidores de 21 a 35 anos”

A novidade surgiu em 2009 e aos poucos começou a ganhar o mercado internacional. Segundo Marcia, hoje há uma variedade muito grande de produtores. Entre eles a sommelier cita as vinícolas Sofia (Califórnia), que produz espumante;  Underwood  (Oregon), produtora de vinho branco da uva Pinot Grigio e um tinto da uva Pinot Noir.; Presto (Itália), fornecedora de espumante  e Lila (Nova Zelândia), que oferece ao mercado vinho branco da uva Pinot Grigio.

O vinho envasado em latinhas de alumínio ainda não chegou nas vinícolas nacionais. “Mas já é possível ver as primeiras importações de vinho em lata . A aceitação ainda acho que será preconceituosa, e tudo irá depender do valor de impostos adicionado ao produto para sabermos  se conseguirá atingir o público mais jovem que tem a mente mais aberta a novidades do mercado”, opina Marcia.

img-interna-vinho-em-lata

img-ext-cervejamussum-01

Cerveja artesanal versão “latis”

Potencial criativo das latinhas e proteção do alumínio valorizam diferenciais de cerveja criada em homenagem ao músico e humorista Mussum

As embalagens das cervejas artesanais Birits, Cacildis, Ditriguis e Forévis exemplificam o potencial criativo das latinhas de alumínio para bebidas. De cores fortes e ar retrô, as latas trazem o estilo descontraído da cervejaria Ampolis, inaugurada em 2013 em homenagem ao músico e humorista Mussum, o brasileiro Antônio Carlos Bernardes Gomes.

Depois de consolidar a marca com as garrafas de vidro, a cervejaria do Rio de Janeiro lançou as quatro versões, criadas a partir das expressões usadas pelo humorista falecido em 1994, em latas de 350 ml. Ao anunciar a novidade nas redes sociais, a Ampolis, em seu estilo bem-humorado, destacou as vantagens do alumínio: “Pode agradecer aos Deuses do Mé porque com a chegada da FORÉVIS temos mais essa novidade: todos os nossos diuréticos agora também na versão latis! Coisa lindis!! Pra colecionar tudo! E além de lindas ainda protegem ainda mais o seu mé do ar e da luz, pra ele chegar até vc perfeitis!!”.

img-ext-cha-do-bem

Marca Do bem adere à latinha formato slim

Novos chás sem conservantes e adoçados com stevia ganham versões em latas de alumínio de 310 ml

Depois das tradicionais embalagens cartonadas individuais, a Do bem optou pelas latinhas de alumínio para lançar a primeira linha de chás do mercado nacional sem conservantes e com stevia, adoçante totalmente natural. Com a inovação, a marca alia proteção da bebida contra efeito da luz e de gases, mantendo sabor e aroma, em embalagem 100% reciclável.

A nova embalagem foi adotada para as versões Chá Verde com Limão e Chá Verde com Pêssego, disponíveis em latinhas slim de 310 ml, além de cartonadas assépticas de 1 litro, que também garantem a conservação do produto devido à presença do alumínio.

De acordo com a empresa, para chegar a uma composição na qual a stevia não interferisse no sabor da bebida, foram necessários dois anos de pesquisa. A marca avalia os novos produtos como um avanço no mercado de bebidas, porque os chás são de caloria zero, mas com o mesmo sabor dos que levam açúcar.