img-ext-mat-webinar-reciclagem

ABAL oferece curso gratuito de reciclagem de alumínio

Evento será transmitido via web em 29 de outubro

A Associação Brasileira do Alumínio (ABAL ) oferece o curso WEBINAR Reciclagem de Alumínio: Cenário, Processo e Perspectivas, com o objetivo de apresentar um panorama dos aspectos sociais e econômicos da reciclagem de alumínio e processo de reciclagem e produção de alumínio secundário.

Dirigido a profissionais e estudantes de nível técnico, engenharias e meio ambiente, o curso é gratuito e será transmitido ao vivo via web, com total interatividade.

DATA: 29 de outubro de 2018
HORÁRIO: das 14h às 16h

Inscreva-se aqui.

img-mat-cafe-nespresso-out2018

Especialistas destacam o potencial de reciclagem do alumínio

8o Congresso Internacional do Alumínio debate a participação das embalagens na economia sustentável

Flexibilidade, praticidade, proteção e sustentabilidade. Essas foram as propriedades do alumínio destacadas por palestrantes no painel Embalagens do 8o Congresso Internacional do Alumínio, promovido pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), de 3 a 5 de setembro, em São Paulo.

 

Além do alumínio favorecer o desenvolvimento de novas embalagens, oferecer comodidade e segurança ao consumidor, o potencial de reciclagem do metal foi destaque. Ao abordar o tema Tendências de Embalagens, Naira Sato, diretora de Categorias Mintel, apresentou dados estatísticos que reforçam a importância do alumínio para o desenvolvimento de embalagens que atendam as demandas do consumidor que prioriza a sustentabilidade.

 

Ao ressaltar que a reciclagem é a peça chave da economia circular, Sato, especialista em análise e pesquisa de mercado, afirmou que 94% dos consumidores globais querem reciclar e valorizam produtos recicláveis e reciclados. E 78% valorizam a embalagem que traz a mensagem reciclável ou produzida com produtos recicláveis.

 

As latas de alumínio, por exemplo, foram citadas como as mais utilizadas para bebidas – alcoólicas, refrigerantes, sucos -, devido à possibilidade de criar embalagens de diferentes formatos e tamanhos, à comodidade oferecida ao consumidor e ao alto potencial de reciclagem. Como exemplo, Sato citou o caso das cervejas artesanais dos Estados Unidos, mercado no qual cresce o uso das latas de alumínio, embalagens anteriormente consideradas “não-artesanais” e incompatíveis com o volume de produção das microcervejarias.

 

Café sustentável

A também palestrante Claudia Leite, Coffe Ambassador América Latina Nespresso, ressaltou a importância de a marca optar pelas cápsulas de alumínio como embalagem das doses individuais de café. Somada à proteção do sabor e aroma da bebida, o alumínio destaca-se entre os demais materiais por ser 100% reciclável. Uma propriedade que, segundo Leite, atende às políticas sustentáveis adotadas pela marca.

Ao lembrar que a reciclagem do alumínio consome 95% menos energia do que a produção de alumínio virgem e 75% do metal produzido no mundo ainda está em uso, Leite destacou a importância de ampliar a quantidade de cápsulas recicladas. No Brasil, em 2016, ano de chegada da marca, 8,6% das cápsulas foram recicladas; em 2017, o volume passou para 13%; e em 2018 a marca já registra 17%.

A Nespresso tem como meta a reciclagem de 75% das cápsulas de alumínio, que são entregues pelos consumidores em 71 pontos de coleta espalhados pelo País.

 

img-mat-glafri-out2018

China impulsiona produção mundial de folhas de alumínio

Diretor geral da GLAFRI apresenta dados da representatividade do país asiático, em encontro internacional da ABAL

A demanda por alumínio para embalagens vem crescendo continuamente, e os mercados emergentes são os principais responsáveis por isso. Stefan Glimm, diretor geral da GLAFRI (Global Aluminium Foil Roller Initiative), explicou detalhadamente esse cenário em sua apresentação na ExpoAlumínio 2018, promovido pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL). No evento, realizado em São Paulo entre os dias 3 e 5 de setembro, ele mostrou como a China é, hoje, a maior responsável por impulsionar o uso de folhas de alumínio no mundo.

Os números compartilhados por Glimm mostram que 2018 deve fechar com uma demanda total de seis mil toneladas do material. Pouco mais da metade deste volume deverá suprir as necessidades do país asiático.

Além de representar 52% da demanda mundial por folhas de alumínio, a China também é, de longe, seu maior produtor: responde por 64,5% da produção. Em segundo lugar, a Europa detém 16,5% da produção, enquanto todo o restante da Ásia tem 8,3% de participação.

Quando a avaliação é feita levando em conta o consumo per capita de folha de alumínio, a China mais uma vez lidera o crescimento mundial. Passou de 1,44 kg per capita em 2014 para 1,61 kg per capita em 2017. A Coreia do Sul também cresceu nesse índice – de 1,74 para 1,90 -, enquanto a Índia registrou um pequeno aumento de 0,11 para 0,12. O Brasil, neste período, teve queda de 0,47 para 0,42.

“China destaca-se no quesito consumo
per capita de embalagens de alumínio”

A China, entretanto, ganha ainda mais destaque no quesito consumo per capita de embalagens de alumínio: cresceu de 0,59 kg em 2014 para 0,91 em 2017. No Brasil, houve ligeira queda de 0,36 para 0,35 no período.

A GLAFRI é uma associação global com a missão de prover informações, coordenar ações em sustentabilidade, promover inovações e assim apoiar o crescimento do mercado de folhas de alumínio.

“O mercado, os consumidores, querem respostas. Querem saber se a folha de alumínio é sustentável, e precisam receber a mesma resposta seja na Europa, na China ou no Brasil. Por isso, precisamos passar globalmente nossa mensagem”, disse Glimm à plateia. “Respostas diferentes, diferentes maneiras de comunicar, trazem problemas. Se você tem uma nova tecnologia de reciclagem no Brasil ou na Europa, deve compartilhá-la“.

img-mat-alufoil2018-out

Vencedores do Troféu Alufoil são conhecidos na ExpoAlumínio

A Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) promove premiação internacional pela primeira vez no Brasil

Um selo que mantém a integridade do produto durante processo de envase e resfriamento. Folhas que permitem moldar a embalagem, além de preservar o seu conteúdo – uma bebida – por mais tempo em temperatura ambiente. E uma lâmina que evita a contaminação de material coletado para exames. Estas foram as soluções premiadas na edição brasileira do Troféu Alufoil. O resultado foi anunciado durante a ExpoAlumínio 2018, a maior feira do gênero na América Latina, promovida pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), no início de setembro, em São Paulo.

O Troféu Alufoil destaca projetos de embalagens inovadoras que utilizam folhas de alumínio em laminados, na estrutura ou em seu sistema de fechamento. Trata-se de uma premiação internacional, de grande tradição na Europa, onde é promovida pela European Aluminium Foil Association (EAFA), com apoio da Global Aluminium Foil Roller Initiative (GLAFRI). Há dois anos, a competição ganhou uma versão chinesa, uma vez que a China é hoje o maior produtor de alumínio e de produtos feitos com o metal. E, graças a uma parceria entre a ABAL, a EAFA e GLARI, o Troféu Alufoil passou a ter, a partir deste ano, uma edição brasileira.

“A chegada do Troféu Alufoil ao Brasil é um reconhecimento ao segmento de embalagens, o setor que mais consome alumínio em nosso país”, explica Milton Rego, presidente executivo da ABAL. A entidade, por meio de seu Comitê de Embalagens, se encarregou da organização e julgamento dos trabalhos inscritos e aproveitou a realização da ExpoAlumínio para divulgar os vencedores.

Esta primeira edição contou com a participação de Stefan Glimm, diretor geral da GLAFRI, que contribuiu com sua experiência na realização da edição europeia da premiação. “Fiquei realmente impressionado com a qualidade dos trabalhos inscritos e com o potencial de inovação apresentado pelos vencedores brasileiros”, destacou. “Quero também elogiar o profissionalismo da ABAL na organização da competição. Trata-se de um passo importante na promoção do uso das folhas de alumínio e para o crescimento desse segmento do mercado no país.”

O Troféu é dividido em três categorias. Na categoria Proteção ao Produto o ganhador foi o Selo Wave, da empresa Flexoprint. Em Marketing, Design e Conveniência do Consumidor a solução escolhida foi a embalagem do produto Danoninho para Levar, desenvolvida pela Diadema Embalagens. E na categoria Eficiência de Recursos e Inovação o destaque ficou com a Lombardi Metais e o seu projeto que utiliza lâminas de alumínio para a coleta e acondicionamento de fios de cabelo em exames toxicológicos.

“Um prêmio de renome internacional como o Troféu Alufoil é o reconhecimento da tecnologia, know how e dos serviços que oferecemos ao mercado”, diz Antonio Adão Parra, diretor comercial e de suprimentos da Embalagens Flexíveis Diadema. “O Selo Wave se utiliza de uma característica intrínseca do alumínio, de se expandir multilateralmente, sem retorno”, explica o engenheiro de alimentos Sérgio Romeiro. “O Troféu Alufoil coroa o esforço da Flexoprint em buscar soluções como essa, que melhoram a qualidade das embalagens de alimentos e permitem a redução de seus custos de produção”.

Gianpaolo Lombardi, da Lombardi Metais, conta que o Troféu Alufoil é a recompensa por quatro anos dedicados ao desenvolvimento de um projeto nascido a partir do pedido de um grande laboratório norte-americano. “Resolvi participar do prêmio com o objetivo principal de divulgar a maneira como chegamos à solução”, relembra. Solução que destaca a versatilidade das folhas de alumínio e que mostra a competitividade da indústria nacional no segmento.

 

Embalagens Premiadas no Troféu Alufoil 2018

img-mat-alufoil-flexoprintCategoria Proteção ao Produto: Selo Wave
Empresa: Flexoprint

Solução: embalar um suco em alta temperatura permite reduzir ou, muitas vezes, eliminar o uso de conservantes. Feito de folha de alumínio, o Selo Waze faz o fechamento do copo de suco permitindo seu envase a quente e posterior resfriamento, garantindo a integridade de toda a embalagem.

img-mat-alufoil-diademaCategoria Marketing, Design e Conveniência do Consumidor: Danoninho para Levar
Empresa: Diadema Embalagens Flexíveis

Solução: o uso de folhas de alumínio na embalagem do Danoninho para Levar, graças às qualidades de proteção que oferecer, permite conservar o produto – um petit-suisse – por até cinco horas fora da geladeira.

img-mat-alufoil-lombardiCategoria Eficiência de Recursos e Inovação: Folhas de Alumínio
Empresa: Lombardi Metais

Solução: folhas de alumínio, com espessura de 0,05 mm, muito usadas em embalagens, foram a solução encontrada pela Lombardi Metais para atender um laboratório de exames interessado em padronizar e acondicionar com segurança mostras de cabelo destinadas à análise.

img-ext-mat-patagonia

Cervejaria Argentina traz bebida em lata ao Brasil

 

Patagonia inova com embalagem de alumínio que vai dividir as gôndolas com as cervejas em garrafas da marca

Os consumidores brasileiros ganham mais uma opção de cerveja em lata. A cervejaria  Patagonia traz ao Brasil a Amber Lager  em embalagem de alumínio. Até então, a marca argentina apenas comercializava no País cervejas em garrafas.

A primeira receita da marca, feita com lúpulos plantados e colhidos em sua fazenda localizada em Fernandez Oro, na Patagônia Argentina, foi a escolhida para disponibilizar a novidade em lata de 473 mililitros .

img-ext-mat-congresso-ago2018

ExpoAlumínio 2018 reúne especialistas do setor de embalagens

De 2 a 5 de setembro, evento tem como tema central as tendências mundiais do alumínio e a inserção do Brasil

A diversidade de aplicação do alumínio no desenvolvimento de embalagens seguras e recicláveis será tema de palestras na ExpoAlumínio 2018, evento internacional promovido pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL). De 3 a 5 de setembro, em São Paulo, o principal evento  de conteúdo do setor de alumínio traz como tema principal “Tendências mundiais do alumínio e a inserção do Brasil nesse cenário”.

O painel Embalagens reunirá especialistas do segmento no dia 5 de setembro, das 9h às 12h15, sob a mediação de Fernando Varella, coordenador do Comitê de Mercado de Embalagens da ABAL.  Entre os palestrantes estão Stefan Glimm, Diretor da GLAFRI – Global Aluminium Foil Roller Initiative; Claudia Leite, Coffe Ambassador América Latina da Nespresso; Naira Sato, Diretora de Categorias da Mintel; Alberto Ander, Consultor de Embalagens do Segmento Farmacêutico; Andre Caneca, Diretor de Suprimentos da Ball.

Conheça a programação completa do evento e increva-se.

img-ext-mat-economia-circular

Folha de alumínio favorece economia circular

100% reciclável, materia-prima de embalagens protege produtos e colabora para a redução de desperdício

Na construção de uma economia circular, modelo que prevê o retorno à cadeia produtiva de produtos e materiais por meio de um processo de recuperação e regeneração, o alumínio é um forte aliado. O metal, 100% reciclável, está presente em diversas embalagens, sendo o campeão de reaproveitamento de latinhas de alumínio para bebidas, que em até 60 dias são coletadas, recicladas e novas latas chegam aos pontos de venda.

O papel da embalagem numa economia sustentável vai além de sua capacidade de reciclagem, como ressalta Assunta Napolitano Camilo, diretora da FuturePack – Consultoria de Embalagens e do Instituto de Embalagens: “A embalagem protege o produto, o identifica. Pode comprometer a segurança e a qualidade se mal dimensionada. Uma boa embalagem aumenta a vida de prateleira (shelf life) do alimento. O papel da embalagem é proteger o produto com os recursos adequados, sem desperdício de material, e orientar o consumidor a separá-la para a reciclagem”.

“Além de 100% reciclável, embalagem
de alumínio aumenta a vida de prateleira do produto”

Portanto, a participação da embalagem no processo de economia circular vai desde o projeto , que deve priorizar o cumprimento de suas funções, como destaca Assunta Camilo, até a revalorização de seu material após o consumo.

“Ao escolhermos materiais que sejam possíveis retornar ou reciclar, estamos poupando recursos e minimizando os resíduos. A escolha tem que levar em consideração a barreira adequada para as condições desejadas para aquele produto”, afirma a diretora do Instituto de Embalagem, que cita a colaboração da folha de alumínio por agir como barreira à luz, à agua, a vapor, a gases.

No Brasil, segundo Assunta Camilo, falta educar o consumidor para que ele entenda a contribuição das embalagens para sua vida. “Na Alemanha e na Inglaterra, por exemplo, cresce a opção por embalagens que impactem menos na natureza. As embalagens informam até a pegada de carbono. Muitos optam por embalagens em um só material para ser mais fácil de reciclar ou as que façam parte de programas de logística reversa”, conclui.

img-ext-mat-lata-aluminio-gela-sozinha

Nos EUA, lata de alumínio para bebidas gela sozinha

Inovação liberta consumidores da dependência de refrigeradores e gelo, em especial em atividades esportivas e de lazer

Consumir bebida gelada em qualquer lugar, sem depender de refrigerador ou gelo, já é possível nos Estados Unidos. A empresa The Joseph Company, da Califórnia, acaba de lançar “a primeira lata do mundo que gela sozinha”.

Para gelar a bebida, basta virar a embalagem de cabeça para baixo e girar uma pequena peça plástica  acoplada na base da lata de alumínio, em um intervalo de 75 a 90 segundos a temperatura cai cerca de 16 graus.

“Consumidores em zonas com refrigeração limitada, participantes de atividades como camping, pesca ou navegação, e pequenos comerciantes entenderão o impacto que a autorrefrigeração representa hoje em dia para a sociedade”, diz Mitchell J. Joseph, CEO da empresa.

O primeiro produto a adotar a nova lata de 250 ml é a Fizzics Sparkling Cold Brew Coffee, uma linha de café gelado gaseificado da rede de lojas de conveniência 7-Eleven.

img-ext-mat-sache-jul2018

Sachê alia eficiência de marketing e proteção da folha de alumínio

Embalagem beneficia crescimento da indústria de cosméticos de diferentes portes

O Brasil ocupa o quarto lugar no ranking dos maiores consumidores de produtos de higiene e beleza. Em 2017, a indústria do setor registrou um faturamento de 102 milhões de reais, uma alta de 3,2% em relação a 2016 (99 milhões de reais). E para este ano a expectativa de crescimento é de cerca de 3,8%.

Os resultados positivos, apesar da crise econômica, alimentam o segmento de cosméticos composto por aproximadamente 1.500 empresas, segundo dados da Artpack, fornecedora de sachês para a indústria nacional.

De acordo com Carlos Signei de Souza, presidente da Artpack, os produtos de higiene e limpeza disputam cada centímetro de gôndola, cada cliente na venda direta, e a utilização do produto em amostras ainda é a melhor forma para divulgação. Cerca de 86% de nossa produção da empresa é voltada aos sachês de amostra grátis. Souza ressalta que “as principais marcas se beneficiam com a estratégia de fazerem seus produtos diferenciados serem conhecidos através da distribuição agressiva de amostra grátis, seja elas em sachês ou miniaturas”.

Produzidos em pequenas quantidades, sachês não são privilégio das grandes marcas

Além de eficiente ferramenta de marketing, o executivo destaca o diferencial da embalagem graças à presença do alumínio, que garante barreira contra a luz e evita a perda de produto, impedindo-o de atravessar a embalagem. “Envasado em sachê composto apenas de polietileno e poliéster, em um ano, há perda de 5% de líquido”, explica.

Há uma década, a tecnologia passou a ser mais acessível às pequenas e médias indústrias de cosméticos. “Quando fundamos a Artpack, em 2017, o setor contava com empresas que forneciam sachês em apenas grandes quantidades, de 30 a 100 mil unidades. Passamos a oferecer lotes de no mínimo 3 mil, utilizando maquinário apropriado para pequenas quantidades. Começamos com 10 clientes e hoje atendemos cerca de 250 empresas”, conclui Souza.

img-ext-mat-shelf-life-jul2018

Na Europa, embalagem prolonga shelf life de aves refrigeradas

Embalado a vácuo, frango pode ser assado diretamente em bandeja de alumínio

Para evitar o desperdício de alimentos, frequentemente associado a níveis mais altos de produção, como no caso da carne de frango que atingiu na Grã-Bretanha 182,2 mil toneladas em 2017, um aumento de 1,4% em relação ao ano anterior, empresas europeias investem no desenvolvimento de embalagens de alumínio capazes de prolongar o shelf life dos alimentos e oferecer mais conveniência ao consumidor.

Com o objetivo de atender essas necessidades, a Advanta, com sede no Reino Unido, desenvolveu para os  processadores de frango europeus uma embalagem que combina proteção do alimento e praticidade ao consumidor. Na nova solução, a ave é comercializada inteira em uma bandeja de alumínio pronta para cozinhar, bastando retirar o filme plástico que a envolve.

O porta-voz da empresa, Miguel Campos, explica que a “ave é embalada a vácuo na bandeja de alumínio, eliminando o oxigênio e, portanto, aumentando a vida útil das aves refrigeradas em até 300%. Os varejistas e os fabricantes estão cada vez mais optando por esse tipo de embalagem, porque os produtos com prazo de validade mais longo resultam em redução do desperdício da cadeia de suprimentos”.

Embalagem aumenta a vida útil das aves refrigeradas em até 300% e bandeja de alumínio suporta temperaturas que variam de -40°C a 400°C

Segundo a empresa, tanto a demanda do consumidor por conveniência quanto as exigências dos varejistas por prazos mais longos têm redirecionado as prioridades das embalagens para aves. “Como o consumo continua a crescer, novos conceitos são necessários para garantir que a embalagem seja adequada.  Independente da qualidade ou sabor de um produto, a embalagem sempre terá um impacto significativo sobre o consumidor”, afirma Campos.

A nova solução permite que a ave seja cozida diretamente na bandeja de alumínio que suporta temperaturas que variam de -40°C a 400°C, permanecendo inquebrável.  Também é 100%  reciclável, oferecendo uma opção mais ecológica, ao contrário das alternativas de bandejas plásticas ou de isopor.