img-ext-cerveja-becks

Garrafa de alumínio valoriza edição especial da cerveja Beck’s

Embalagem de bebida alemã agrada os consumidores e ganha conceitos gráficos que destacam os elementos da marca

A AB-Inbev optou pela garrafa de alumínio para lançar uma edição especial da cerveja alemã Beck’s nos EUA. A embalagem impulsiona as vendas porque protege a qualidade da bebida, gela rápido e agrada os colecionadores. Além de atender as expectativas dos consumidores, a garrafa de alumínio favorece a criação de rótulos diversificados, já que podem ocupar 100% da embalagem. Uma solução de marketing não aplicável à embalagem de vidro, que permite a utilização de 30% a 40% da garrafa.

A Narita Design & Strategy foi a agência brasileira escolhida para criar a edição especial. O novo conceito gráfico evidencia os principais elementos da marca. Além do verde, color code referência da marca, o design valoriza o elemento visual mais expressivo da cerveja: o brasão com a chave (Key Seal).

“O logotipo da Beck’s foi aplicado no gargalo de forma sutil, contrapondo o peso do brasão. Os tradicionais selos que chancelam a qualidade foram explorados no rodapé, acentuando a percepção de valor do produto, assim resultando em uma garrafa icônica e memorável”, explica Fernando Quintas, diretor de criação da Narita Design & Strategy.

img-ext-azeite-oliva

Novidade na Europa: azeite em caixinha

Embalagem cartonada asséptica mantém sabor e valor nutricional do óleo rico em antioxidantes

Depois das latas, garrafas plásticas e de vidro, os azeites começam a ser envasados em embalagens cartonadas assépticas. A novidade pode ser encontrada na Europa, onde produtores como a marca espanhola ArteOliva já oferecem ao mercado a versão em caixinha.

A embalagem, segundo a fabricante Tetra Pak, protege a conservação das propriedades do azeite, produto rico em ácidos graxos monoinsaturados e antioxidantes, principalmente vitamina E. Composição nutricional que oferece benefícios cardiovasculares e digestivos.

A alta sensibilidade à luz e ao oxigênio provoca a oxidação rápida do azeite, causando alteração no sabor e perda de vitamina E. Por isso, a importância do envase correto para evitar a deterioração do produto.

A cartonada asséptica, devido a presença do alumínio, impede o contato do azeite com a luz, proteção não garantida pelas embalagens translúcidas, como o vidro e o plástico.

img-destaque-vinho-em-caixinha

Prático e barato

Embalagem “longa vida” garante bebida saborosa, aromática e mais barata

Apesar de não serem muito populares nas prateleiras dos supermercados brasileiros, o vinho envasado em embalagem cartonada asséptica, o wine in box, vem ganhando adeptos em diferentes países nos últimos anos. Isso porque as caixinhas são mais práticas que a garrafas e os vinhos são mais baratos.

O wine in box é fácil de abrir e pode ser fechado e guardado na geladeira por até 30 dias, porque além da torneira de saída do vinho não permitir a entrada de ar, a embalagem conta ainda com a proteção do alumínio na sua estrutura. São detalhes fundamentais para manter o sabor e o aroma do vinho.

De acordo a sommelier Marcia Anholeti, engana-se quem resiste aos vinhos envasados em cartonadas por receio de comprar bebidas de má qualidade. Ela explica que a embalagem é indicada para vinhos simples de mesa – brancos, rosés e tintos -, que podem ser consumidos em embalagens individuais ou servidos em taças durante as refeições e festas, por exemplo.

Entre os produtores nacionais, rótulos das vinícolas Casa Valduga e Perini estão entre as opções. Bebidas importadas também podem ser compradas em supermercados e lojas especializadas de vinho, como o rótulo Clos de Pirque, da vinícola chilena Concha y Toro, que trouxe para o Brasil vinhos tinto e branco, em embalagens de 1 litro.

A embalagem começou a ser utilizada na Austrália para vinhos com preços mais baixos e venda em quantidade. Surgiram caixas de 4,5 litros, equivalente a seis garrafas de 750ml, quantidade da embalagem padrão de vidro. Hoje apresentam versões diferentes e são comuns nos Estados Unidos, Londres, Argentina e Chile. “São comercializadas em tamanho individual, de 200ml, a até 4.500ml, o equivalente a seis garrafas. No Brasil, em geral, as caixas são de 3.000ml, equivalente a quatro garrafas”, conclui a especialista.

img-destaque-do-vidro-a-lata

Do vidro à lata

 Superbom lança primeira linha de sucos naturais em lata de alumínio para ampliar vendas no país e no exterior

A Superbom, considerada uma das principais empresas do ramo de alimentos para veganos e vegetarianos do Brasil, inova e lança a linha FIT de néctares em latas de alumínio Slim, com 265 ml. A opção pela lata partiu da necessidade de chegar a mercados não atendidos pela embalagem de vidro e de ampliar a exportação dos sucos oferecidos pela marca.

img-interna-do-vidro-a-lata

“Queremos levar o produto para praças onde, atualmente, temos dificuldade de introdução do vidro, embalagem utilizada em nossas outras linhas de suco, como, por exemplo, escolas, clínicas e hospitais, que possuem restrição ao vidro”, explica Cristina Ferreira, gerente industrial da Superbom.

De acordo com Cristina, a opção pela embalagem deve-se aos benefícios próprios da lata de alumínio: “É leve – principalmente em comparação com o vidro -,   prática – abriu, tomou e descartou – e moderna. Além disso, o alumínio é 100% reciclável”.

“Versões de sucos em lata de alumínio
atendem mercados que têm restrições
às embalagens de vidro”

Também há um diferencial em relação ao frete, destaca a gerente, pois com a lata de alumínio há uma facilidade maior para o transporte, o que possibilita levar o produto para praticamente todos os estados brasileiros.

“Trabalhar com a lata de alumínio também auxilia na questão da exportação. Com os sucos de vidro, temos uma demanda, mas com a lata de alumínio acreditamos que será maior”, prevê Cristina.

Com o posicionamento premium, os produtos são de baixa caloria, ricos em vitaminas, minerais, sem conservantes e com 0% de gordura. Nos sabores uva, maracujá, laranja e tangerina, foram apresentados na 32ª edição da Feira Apas, entre os dias 02 e 05 de maio, em São Paulo, e estarão disponível em mais de 25 mil pontos de vendas a partir de junho.

img-arte-na-lata-02

Arte na Lata

Prêmio Novelis incentiva novos projetos de embalagens de alumínio que priorizam a sustentabilidade

A lata de alumínio para bebidas favorece a aplicação de novas tecnologias capazes de agregar valor à embalagem, como a realidade aumentada, que permite a interatividade do consumidor. O uso dessa inovação foi destaque no Prêmio Novelis de Sustentabilidade, na categoria Arte na Lata, concedido ao projeto Chá Mego, de autoria de Thais Helena Behar, estudante do Instituto Europeo di Design.

“A realidade aumentada permite integrar os mundos virtual e real. Através dessa tecnologia é possível explorar áreas de informação, conseguindo uma maior conexão e interação com o consumidor”, explica Behar.

img-arte-na-lata-03

Na embalagem, criada pela estudante para um chá sabor laranja a partir do tema Brasil Sustentável, com o uso de um aplicativo e uma câmera de celular, o consumidor tem acesso a informações sobre o produto e outras que o remetem ao universo da sustentabilidade. Basta baixar o aplicativo Bipper e focar a câmera nas diferentes imagens impressas na lata.
Ao visualizar o símbolo de reciclagem, o consumidor recebe informações sobre o processo de reciclagem do alumínio. A ilustração de flor de laranjeira remete a dados sobre o chá e seus benefícios. A imagem do pássaro Mariquita, presente em regiões de plantação de laranja no Brasil, transporta o consumidor a uma página da internet que traz comentários sobre o pássaro e preservação ambiental. A imagem de uma nota musical ainda dá acesso ao canto do pássaro e ao jingle do produto.

img-arte-na-lata-04
O Prêmio Novelis de Sustentabilidade reuniu 99 trabalhos de todas as regiões do País. Os projetos inscritos na categoria Arte na Lata foram avaliados sob a ótica de critérios estabelecidos com base nas premissas do prêmio, cujo principal objetivo é reconhecer ideias e/ou projetos inovadores sobre as temáticas propostas, segundo Eunice Lima, diretora de Comunicação e Relações Governamentais da Novelis.

A iniciativa terá continuidade, segundo a diretora, porque vai ao encontro da política da empresa, que “acredita no poder de transformação das ideias e das práticas sustentáveis”, afirma Eunice Lima.

img-mat05-01

Valor agregado

Embalagem pode definir a escolha do consumidor no ponto de venda, aponta pesquisa

Para o consumidor do século 21, o diferencial dos alimentos e bebidas pode estar na embalagem, como aponta pesquisa realizada pela MeadWestvaco Corporation (MWV), empresa global de embalagens que fornece soluções em diversas áreas como saúde, alimentos, bebidas e agronegócio.

Realizado no final de 2014, o levantamento aponta que o consumidor brasileiro sofre maior influência das embalagens em relação aos chineses, franceses, alemães e norte-americanos. Na análise das atitudes dos consumidores no momento da compra, 52% afirmaram que a embalagem é muito ou extremamente importante para satisfação com o produto, contra 31% da totalidade dos cinco mil entrevistados da pesquisa.

img-mat05-02

Embalagem pode definir a escolha do consumidor no ponto de venda, aponta pesquisa.

No resultado global, 69% afirmaram que o fato de a embalagem ser facilmente reciclada ou aproveitada é extremamente importante. O item sustentabilidade foi apontado como um dos atributos que podem ser reforçados pelos fabricantes.

A inovação das embalagens é apontada como um recurso para melhorar a segurança dos produtos por 30% dos brasileiros, índice acima da média mundial de 25%. E 92% dos brasileiros afirmam que o desenvolvimento de novas embalagens tornou os produtos mais convenientes e de fácil uso.

De acordo com Assunta Camilo, diretora do Instituto de Embalagens, os resultados refletem, além da importância da embalagem para o consumidor, que o mercado brasileiro vem tentando se adequar ao novo momento, modernizando as embalagens para atender às necessidades básicas: conveniência, saúde, segurança, estilo e sustentabilidade.

Mas, apesar de a pesquisa apontar alto índice de reconhecimento no item desenvolvimento de embalagens mais convenientes, segundo Assunta, o investimento ainda é muito reduzido. O mercado ainda oferece ao consumidor, por exemplo, embalagens difíceis de abrir, sem dispositivo para fechamento, pesadas e muitas vezes inseguras. E, para a especialista, a melhor maneira de mudar esse cenário é investir em conhecimento dos recursos disponíveis, por meio da formação de profissionais capacitados e preparados.

img-mat04-01

Latas especiais

Inovações em tintas e vernizes para embalagens de alumínio abrem novos caminhos para a publicidade de bebidas

Para potencializar suas ações de marketing, os fabricantes de cerveja, refrigerante e energético investem nas “latas especiais” de alumínio. Além de variar em tamanhos e formatos (250ml, 269 ml, 473 ml e 710 ml), que hoje representam mais de 30% do volume comercializado, a principal inovação está no uso de tintas e vernizes especiais que permitem aos profissionais de criação de embalagens explorar ao máximo as latas de alumínio como peças publicitárias.

img-materia-latasespeciais

“Se querem um produto para vender em casas noturnas, demandam uma embalagem com tinta que se destaca no escuro. Se querem uma bebida para marcar ou promover um evento, uma festa, demandam rótulos que façam alusão a eles, especificamente. Ou seja, a lata se molda facilmente a campanhas publicitárias. Essa é uma das razões do sucesso da latinha: a possibilidade de conversar com a mente criativa dos profissionais de publicidade e de marketing”, destaca Renault Castro, presidente executivo da Abralatas, Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade.

img-mat04-02

O uso do verniz táctil é responsável por inovações que vão além do layout arrojado do rótulo ou de funções de visualização. Entre os exemplos está um recente lançamento da Coca-Cola no México, onde as latas ganharam impressões em braille. Enquanto a Heineken optou pelo mesmo insumo para criar uma experiência sensorial que diferencia sua embalagem tradicional da concorrência e agrada o consumidor, pois torna mais fácil segurar a embalagem quando está muito gelada.

O avanço tecnológico também permite o desenvolvimento de tintas especiais que “avisam” o consumidor quando a bebida está na temperatura ideal para ser consumida. Nesse caso é utilizada a tinta termocrômica, desenvolvida na Europa e adaptada ao clima do Brasil, onde a cerveja é consumida em temperaturas mais baixas. Lançada no País em 2000, em embalagem de cerveja, hoje a tinta é produzida de forma contínua e não somente para ações promocionais.

A tinta UV é indicada para diferenciar o produto no momento da venda em casas noturnas, por exemplo. Quando aplicada na superfície da lata ou utilizada para compor o logotipo da marca, a lata brilha no escuro quando exposta à luz ultravioleta. A UV é muito utilizada nas latas de energéticos, para facilitar a identificação do produto para quem serve e consome, além de destacar a marca entre os frequentadores do local.

Para Renault Castro, “o fato de dispor de um rótulo em toda a sua superfície, com cores variadas, com tintas especiais, transforma a lata em uma embalagem única, que se destaca na gôndola do supermercado, no freezer do bar ou da padaria, em celebrações, eventos culturais ou esportivos e ocasiões de lazer, seja noite ou seja dia”.