Vinho nacional ganha embalagens longa vida

O vinho de mesa Collina agora é envasado em cartonadas assépticas de 1 litro

Com o lançamento do vinho em embalagem cartonada asséptica, a Cooperativa Agroindustrial Nova Aliança inova para oferecer mais praticidade ao consumidor.

“Tradicionalmente essa categoria é ofertada ao mercado em garrafas de 750 mililitros com fechamento de rolha, e a marca Collina é uma delas. Porém, já é percebida a aceitação de diferentes tipos de embalagens pelo consumidor”, explica o coordenador de Marketing da cooperativa, Vinícius Fruet.

Nesse primeiro momento, apenas o vinho suave, que representa 80% do total comercializado pela marca, será lançado na embalagem desenvolvida pela Tetra Pak.

“Queremos nos tornar o principal representante desse produto no Brasil, ao possibilitar um consumo mais acessível e disponibilizar novos momentos de consumo. A nova embalagem também amplia o potencial de exportação da marca”, explica Fruet.

“Comum em países da Europa e América Latina,
embalagem oferece praticidade e conservação do produto”

Dentre as vantagens da embalagem está a conservação do produto. O vinho, quando entra em contato com o ar e a luz, vai perdendo aroma e sabor e, consequentemente, suas características originais em cerca de dois dias, após a abertura da garrafa. As bebidas envasadas nas cartonadas têm como aliada a proteção do alumínio, um dos componentes dessas embalagens. Prática para o consumidor, a caixinha é fácil de abrir e pode ser fechada novamente.

Para a Tetra Pak , o lançamento é uma oportunidade de expansão e fortalecimento da categoria no mercado nacional.

“Já atuávamos juntos com a Nova Aliança com o portfólio de sucos e, então, surgiu a oportunidade de trazer inovação por meio da embalagem na categoria de vinhos, que já é comum em países da Europa e América Latina”, relata Alexandre Shueda, gerente de Marketing da Tetra Pak Brasil.

Embalagem conectada “fala” com o consumidor

Digitalização oferece novas possibilidades de interação com o consumidor de alimentos embalados em cartonadas assépticas

Animações de personagens mitológicos convidam o consumidor a acessar informações sobre a tecnologia aplicada às embalagens cartonadas assépticas, detalhando cada componente utilizado e como protegem o alimento, sem a presença de aditivos. Esse recurso digital foi a tecnologia utilizada nas caixas longa vida da Tetra Pak em campanha de conscientização, para combater a falsa informação de que produtos embalados em caixinhas duram mais por terem conservantes em sua formulação.

Essa inovação, segundo Alexandre Schueda, gerente de Marketing de Bebidas da Tetra Pak Brasil, exemplifica os recursos de comunicação oferecidos pela tecnologia de embalagem conectada, que, desenvolvida pela empresa, é capaz de oferecer novas possibilidades de interação com o consumidor e comunicar ou reforçar atributos e projetos da marca.

As novas possibilidades de interação vão desde o desenvolvimento de promoções e jogos até ações que gerem engajamento e fidelização com o público”, explica.

De acordo com Schueda, a embalagem conectada atende às expectativas do atual consumidor, que demanda comunicação mais rápida e direta com as marcas.

“O consumidor também está cada vez mais crítico e em busca de uma relação de consumo mais transparente. Nesse sentido, os fabricantes de alimentos e bebidas poderão não apenas abrir um novo canal de diálogo com os consumidores, mas também resgatar a credibilidade quanto à qualidade e benefícios de seus produtos. O recurso também pode ser usado, por exemplo, para comunicar e engajar o consumidor em projetos sociais apoiados pela empresa ou mesmo para convidá-lo a participar de promoções e ações que gerem fidelização”.

“Consumidores acessam imagens e informações por meio de aplicativos”

Em um futuro próximo, as embalagens conectadas poderão ser rastreadas ao longo de todo o ciclo de vida do produto, fornecendo informações quase que em tempo real sobre o seu desempenho na cadeia de distribuição. Dentro da indústria, será possível rastrear cada processo ao qual o produto foi submetido antes de ser enviado para distribuição (origem da matéria-prima, data de processamento e envase, lote, quais linhas de produção ele passou etc).

O processo é praticamente o mesmo aplicado à produção de embalagens convencionais, havendo pequenos ajustes na unidade fabril para a aplicação da tecnologia. Nos projetos em desenvolvimento no Brasil, segundo Schueda, a empresa trabalha com as tecnologias que utilizam os códigos DataMatrix e QR Code.

“O custo para o cliente estará na instalação de servidores e sistemas que permitam o armazenamento das informações de cada embalagem, bem como o desenvolvimento dos aplicativos para o acesso do consumidor. Este não costuma ser um custo alto, principalmente se consideradas as possibilidades abertas pelas embalagens conectadas, seja em novas formas de interação com o consumidor ou por permitir a rastreabilidade de cada produto fabricado”, conclui.

Iogurte em caixinha dispensa refrigeração

Dupla pasteurização e embalagem cartonada asséptica garantem validade de até quatro meses para bebida láctea

A Betânia Lácteos, fabricante de laticínios do Nordeste, optou pela embalagem cartonada asséptica para lançar na região o Yogi&Leve, bebida desenvolvida a base de iogurte que dispensa refrigeração. Produzida 100% de leite, a bebida tem dupla pasteurização e é envasada em  embalagem longa vida, o que garante o diferencial, segundo o fabricante.

De acordo com a empresa, a formulação da Yogi&Leve foi desenvolvida na Suécia, a partir de cases da China, em parceria com a Christian Hansen, especializada em soluções de fermentos lácteos, e com a Tetra Pak. O produto é acondicionado em embalagens Tetra Prisma de 200 mililitros. O Yogi&Leve alcança prazo de validade de até quatro meses, sem necessidade de adição de conservantes ou ingredientes artificiais, o que reduz a perda de produto ao longo da cadeia de produção, distribuição e venda.

“Mais de 60% do consumo de iogurtes tradicionais
acontece entre um compromisso e outro”

O lançamento vai ao encontro das mudanças de consumo dos brasileiros que, cada vez mais, buscam opções de bebidas que possam ser consumidas em trânsito. Segundo pesquisas da Tetra Pak e da Betânia Lácteos, mais de 60% do consumo de iogurtes tradicionais acontece entre um compromisso e outro, sendo que 40% dos brasileiros mantêm bebidas lácteas em sua dieta.

Segundo Bruno Girão, CEO da Betânia Lácteos, o objetivo é oferecer um produto que proporcione praticidade, conveniência e nutrição ao consumidor. “Hoje as pessoas passam boa parte do dia fora de casa e em trânsito, entre o trabalho, a academia, o lazer e a universidade. E estão cada vez mais preocupadas em se alimentar de maneira mais saudável fora de casa, o que para elas não é fácil. O Yogi&Leve é uma opção de lanche nutritivo para consumir em qualquer lugar”, destaca.

Cartonadas assépticas são aliadas de novas bebidas vegetais

Marca AdeS opta pela embalagem longa vida para ampliar portfólio de sabores

A Coca-Cola Brasil optou pela embalagem cartonada asséptica de 1 litro para ampliar o portfólio de bebidas vegetais da marca AdeS. A proteção oferecida pela embalagem longa vida, devido à presença do alumínio, somada ao tratamento térmico e ao envase asséptico, garante a qualidade da bebida por um período mais longo, além de não incorporar oxigênio no envase, o que impede a oxidação do líquido.

Criada pela agência Geometry Global, a embalagem traz um novo visual. A principal mudança do rótulo foi dar mais destaque aos ingredientes, para que as pessoas tenham mais clareza sobre o produto. Segundo a empresa, a modernização tem o objetivo de sair de uma visão apenas de soja para uma marca com múltiplos ingredientes. “A AdeS, que sempre significou Alimento de Soja, agora passa a ser Alimento de Semente, e vamos oferecer cada vez mais opções nesse caminho,” diz Pedro Massa, diretor de Novos Negócios da Coca-Cola Brasil.

Os novos produtos de vegetais da marca são AdeS amêndoas, AdeS amêndoas com baunilha e AdeS coco.

Reciclagem transforma longa vida em paletes

Produtos fabricados com alumínio e plástico reciclados de embalagens cartonadas assépticas têm vida útil 10 vezes maior

O potencial de reciclagem das cartonadas assépticas levou a Tetra Pak a integrar mais um serviço em seu portfólio: a comercialização de paletes produzidos a partir do alumínio e do plástico reciclados de embalagens longa vida pós-consumo.

Segundo a empresa, o produto, desenvolvido em parceria com a Green Pallet, é resistente a ambientes refrigerados e úmidos e tem vida útil, em média, 10 vezes maior do que os tradicionais. Outra vantagem é que pode ser higienizado após entrar em contato com óleos, graxas e substâncias químicas.

“Uma das principais premissas da Tetra Pak nas últimas décadas tem sido o desenvolvimento de ações para fomentar a reciclagem das nossas embalagens. A produção dos paletes com materiais reciclados promove a conservação ambiental e é mais uma conquista da companhia neste sentido”, afirma Valéria Michel, diretora de Meio Ambiente da Tetra Pak.