img-ext-mat-recilagem-latas-dez2017

Índice de reciclagem da latinha reflete mudança de mentalidade

Ao manter a liderança no ranking de reutilização do alumínio da lata para bebidas, Brasil evolui em práticas sustentáveis

O mais recente Índice Nacional de Reciclagem de Latas de Alumínio mostrou que o Brasil continua no caminho certo: em 2016, o país reciclou 97,7% do produto, o que o mantém entre os líderes mundiais no quesito.

Divulgados pela ABAL e pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas), em outubro, os dados mostram que das 286,6 mil toneladas disponíveis no mercado, cerca de 280 mil passaram pelo processo de reciclagem. Além dos benefícios ao meio ambiente, a reciclagem de latas representou cerca de R$947 milhões injetados na economia nacional no ano passado.

Os bons índices têm colocado o Brasil entre os melhores em reciclagem de latas de alumínio desde 2001, mas o que isso significa na prática? Ainda há espaço para avanços? A maneira das empresas enxergarem a questão mudou realmente ou um trabalho de conscientização ainda se faz necessário?

Para Maria Zulmira de Souza, consultora em comunicação estratégica para sustentabilidade, “as empresas se deram conta de que não podem ficar jogando fora uma matéria-prima nobre como o alumínio. Não faz sentido se desfazer de um material que já teve um alto custo para a produção da embalagem”.

“A reciclagem de latas de alumínio representou cerca de R$947 milhões injetados na economia nacional em 2016”

A consultora coloca o Brasil em uma fase de transição: há empresas e consumidores que veem a reciclagem somente como uma obrigação e outras que já perceberam a real importância da questão e as tem como parte de sua cultura.

“As empresas que fazem relatórios específicos sobre sustentabilidade estão em número cada vez maior”, diz a consultora. “Quem hoje procura somente cumprir a legislação está defasado. É ótimo termos um índice de reciclagem de latinhas tão bom. Mas, para continuarmos a avançar, precisamos estar atentos, por exemplo, ao índice de reciclagem de outros materiais também”, acredita Zulmira.

Presidente-executivo da Abralatas, Renault Castro ressalta que o índice de 97,7% é ainda mais notável porque, em países com índices superiores como Finlândia e Alemanha, a reciclagem é obrigatória, diferente do Brasil. “Além disso, eles produzem um volume de latinhas consideravelmente menor que o nosso. Isso significa que nosso índice tem um valor ainda maior, por se tratar de um descarte voluntário, com uma abordagem social”.

Para Castro, o maior desafio está em manter esse índice. “Para isso, precisamos manter o sistema de compras, de avaliação de preços de mercado, aumentar os postos de coleta e melhorar a comunicação entre as cooperativas para que elas ganhem em eficiência e produtividade.”

 

img-ext-cervejamussum-01

Cerveja artesanal versão “latis”

Potencial criativo das latinhas e proteção do alumínio valorizam diferenciais de cerveja criada em homenagem ao músico e humorista Mussum

As embalagens das cervejas artesanais Birits, Cacildis, Ditriguis e Forévis exemplificam o potencial criativo das latinhas de alumínio para bebidas. De cores fortes e ar retrô, as latas trazem o estilo descontraído da cervejaria Ampolis, inaugurada em 2013 em homenagem ao músico e humorista Mussum, o brasileiro Antônio Carlos Bernardes Gomes.

Depois de consolidar a marca com as garrafas de vidro, a cervejaria do Rio de Janeiro lançou as quatro versões, criadas a partir das expressões usadas pelo humorista falecido em 1994, em latas de 350 ml. Ao anunciar a novidade nas redes sociais, a Ampolis, em seu estilo bem-humorado, destacou as vantagens do alumínio: “Pode agradecer aos Deuses do Mé porque com a chegada da FORÉVIS temos mais essa novidade: todos os nossos diuréticos agora também na versão latis! Coisa lindis!! Pra colecionar tudo! E além de lindas ainda protegem ainda mais o seu mé do ar e da luz, pra ele chegar até vc perfeitis!!”.

img-ext-sadia-aluminio

Sadia adota bandeja de alumínio em linha Jamie Oliver

Pratos ready to cook usam embalagens retangulares de 350g e 650g   

A bandeja de alumínio foi adotada como solução de embalagem para a recente inovação da Sadia: a linha de pratos ready to cook Jamie Oliver. A nova categoria de pratos prontos para serem finalizados, composta por diferentes receitas a base de frango, é comercializada em embalagens retangulares de 350g e 650g.

“Alumínio garante cozimento ideal e conveniência aos consumidores”

“Essa categoria exige embalagem que suporte a cocção em forno convencional por um período mais longo, algo que o papel não suporta”, explica Felipe Oria Carneiro, gerente de Marketing da BRF. Além de garantir o melhor cozimento dos pratos, mantendo sabor, aroma e coloração, as bandejas de alumínio oferecem conveniência ao consumidor, pois são levadas diretamente ao forno e depois à mesa.

Para esse tipo receita, segundo o fabricante,  o ideal é prepará-la  em forno convencional, apesar de o micro-ondas ser utilizado para cozinhar e aquecer alimentos acondicionados em embalagens de alumínio (clique aqui para visualizar o vídeo “Praticidade no Micro-ondas”). Após o descongelamento, os pratos são preparados em temperaturas de 200°C, por 40 minutos, e 240°C, por 10 minutos.

De acordo com Carneiro, com os pratos Jamie Oliver a empresa traz uma nova categoria ao mercado brasileiro e “democratiza a participação do cliente na preparação final do prato, fazendo-o se sentir um chef gourmet”.

img-aneis-latas-ext-01

Anéis coloridos para latas made in Brasil

Novelis produz bobinas coloridas de alumínio com lotes mínimos de 2 a 3 toneladas por cor para embalagens 

A Novelis traz para o Brasil a produção de anéis coloridos para latas de alumínio para bebidas. Até então disponível apenas no mercado internacional, o produto passa a ser fabricado no País nas cores vermelha, verde, azul e laranja.

Uma das vantagens é a flexibilidade do lote mínimo comercializado. De acordo com Fernando Wongtschowski, gerente de Marketing da Novelis América do Sul, na pintura é utilizado um sistema inovador com verniz a base de água e concentrados coloridos, o que possibilita a fabricação de lotes mínimos menores por cor.

“Produção nacional beneficia campanhas promocionais de edições limitadas”

“Os lotes mínimos são uma novidade e um diferencial. A Novelis pode oferecer lotes de 2 a 3 toneladas por cor, enquanto que produtores em outras regiões fornecem lotes maiores, entre 5 e 10 toneladas, vinculados à compra de outros produtos, por conta da necessidade de consolidação do frete.”, explica Wongtschowski.

Para o gerente, essa inovação no mercado nacional garante melhor atendimento aos clientes em campanhas promocionais, nas quais são produzidos volumes reduzidos de latas para atender edições limitadas.

“A cor e a personalização da lata ajudam as marcas a se diferenciarem nas gôndolas e a caracterizarem diferentes famílias de produtos. Sem dúvida, a cor fornece uma característica “premium” ao produto”, avalia Wongtschowski.