Pesquisa aponta tendência de compras via smartphones

Segundo estudo, 15% dos consumidores brasileiros fazem supermercado pela internet

A pesquisa “Tendências do Consumidor em Supermercados 2018/2019”, realizada pelo Ibope Inteligência a pedido da Associação Paulista de Supermercados (APAS), aponta que 15% dos consumidores brasileiros realizam compras de supermercados pela internet. E, devido ao uso generalizado de smartphones, cada vez mais serão feitas por meio desses dispositivos. Segundo o Ebit/Nielsen, no 1º semestre de 2018 foi registrado um aumento de 41% no volume de pedidos por meio de dispositivos móveis.

Dentre as tendências apontadas pelo estudo está a necessidade de o varejo integrar os meios on-line e offline, permitindo, por exemplo, que o cliente entre em um comércio físico, escolha o item desejado e pague via smartphone, ou adquira produtos via e-commerce e realize o pagamento on-line com retirada na loja.

No estudo da APAS/Ibope Inteligência, que ouviu mais de dois mil brasileiros acima de 16 anos, produtos de higiene pessoal e beleza são os preferidos por 57% dos entrevistados que efetuam compras de supermercado via internet. Itens de decoração e utilidades aparecem em segundo lugar e, em seguida, aparecem os materiais de limpeza, com 46% da preferência dos consumidores. Frios e laticínios aparecem em último lugar com 20% das menções.

“Varejo deve aliar recursos de compra online e offline”

Entre os motivos para comprar on-line, 68% dos entrevistados apontaram a maior variedade de produtos, enquanto 67% acreditam que os valores praticados no e-commerce são mais em conta. Dentre as respostas de múltipla escolha, aparece em terceiro lugar a facilidade de comparar preços on-line (57%), enquanto 49% consideraram positiva a percepção de sempre encontrar o que procuram. Apenas 23% citaram a falta de tempo como motivação para comprar via e-commerce.

Varejo deve aliar atendimento de qualidade à tecnologia

Em lojas físicas, consumidor brasileiro valoriza agilidade e vendedores bem preparados

Praticidade e conforto são os diferenciais esperados pelos brasileiros nos pontos de venda. Os consumidores estão mais exigentes com os serviços prestados pelas lojas físicas, segundo a pesquisa Global Consumer Insights 2019, produzida pela PwC. O levantamento ouviu 21 mil consumidores em 27 países, ao longo de 2018.

No Brasil, a pesquisa aponta que 58% querem usar métodos de pagamento mais rápidos e fáceis para reduzir filas.  Cerca de 54% dão importância a vendedores com profundo conhecimento dos produtos. Outros 43%  disseram que ao visitar uma loja física é importante que ela disponibilize internet rápida e de fácil acesso.

“Isso mostra que empresas em atuação – ou que querem investir no Brasil – devem aliar a experiência de compras à tecnologia e à qualidade do atendimento. No Brasil, temos diversos casos de varejistas que estão caminhando neste sentido, implementando, por exemplo, chatbots que auxiliam, via inteligência artificial, a jornada online de compras de seus consumidores”, afirma o Sócio da PwC Brasil e Líder de Mercados de Consumos, Ricardo Neves.

Embalagem pode definir a compra nos pontos de venda

 

Pesquisa mostra que cerca de 70% das decisões de compra acontecem em frente das gôndolas

De acordo com especialistas de varejo, a embalagem influencia o consumidor e pode determinar a compra de um produto. Essa afirmação é comprovada em pesquisas sobre o comportamento do consumidor nos pontos de venda. Levantamento da Nielsen, por exemplo, mostra que cerca de 70% das decisões de compra são tomadas na frente das gôndolas, sendo que 50% destas são feitas por hábito. O estudo também mostra que o consumidor fica, em média, 15 segundos na frente de uma gôndola e foca sua atenção no máximo 1,6 segundo em cada ação no ponto de venda.

Apesar da importância do design atrativo, a embalagem fala cada vez mais sobre o produto. Especialistas destacam que uma boa embalagem é aquela que, além do valor estético, transmite os valores da marca, a preocupação com a conservação do produto, respeita a legislação vigente e agrega sustentabilidade em seu processo de fabricação.

Entre os principais atributos de uma boa embalagem estão: despertar o desejo de compra, conservar adequadamente o produto, trazer informações sobre o produto, ser produzida de forma sustentável, oferecer praticidade, ser reciclável.

Consumo de bebidas em trânsito reduz formato de cartonadas assépticas

Pesquisa aponta crescimento de consumo durante deslocamentos e preferência por formatos menores

Segundo estudo da Tetra Pak, pelo menos uma vez por semana, mais de 40% dos consumidores globais estão se alimentando em trânsito, no deslocamento entre seus compromissos.

O estudo aponta ainda que leite, iogurte e bebidas energéticas são as escolhas preferidas e, para algumas pessoas, as bebidas em embalagens com 300 ml ou mais são quantidades excessivas.

Com base nesses dados, que segundo a empresa apontam que a demanda por produtos menores deve atingir 72 bilhões de litros até 2019 (10% do volume atual), a Tetra Pak lançou embalagens assépticas cartonadas de 200 ml e 250 ml.

Os novos formatos, além de tamanhos menores, oferecem ao mercado de bebidas caixinhas longa vida com tampa de rosca, indicada para o consumo em trânsito.

“Nossos clientes precisam de soluções que os ajudem a identificar oportunidades e maximizar crescimento. Trazendo mais duas novas versões à bem-sucedida linha Tetra Prisma® Aseptic, conseguimos ajudá-los a explorar esse enorme potencial do mercado on-the-go”, explica Charles Brand, Vice-Presidente Executivo de Gerenciamento de Produtos e Operações Comerciais da Tetra Pak.

Poder de compra da geração sênior movimenta consumo

No Brasil, consumidores acima de 60 anos devem ficar com 16% da renda do país em 2020 e a maioria está disposta a gastar mais para garantir qualidade

Nos próximos anos, a geração sênior será uma das mais importantes para o consumo mundial. O poder de compra dos consumidores acima de 60 anos vai superar R$ 30 trilhões em 2020, de acordo com estudo divulgado pela Tetra Pak. A pesquisa entrevistou mais de 40 mil pessoas, de 27 países.

No Brasil, o público sênior detinha 11% da renda do país, na última década. Nos próximos quatro anos, a expectativa é que essa participação ultrapasse 16%, em decorrência do envelhecimento da população e do aumento do poder de compra dos brasileiros, de acordo com o relatório “Consumer Generations”. Apesar de ser uma fatia representativa dos consumidores, o número é inferior se comparado aos países asiáticos. No Japão, por exemplo, os idosos devem representar 31% do consumo do país em 2020, enquanto em 2005 era de 26%.

De acordo com dados da Tetra Pak, a geração sênior investe 20% do orçamento em alimentos e bebidas. “Eles têm mais recursos que outras gerações e podem se tornar um importante grupo de consumidores, o que cria uma grande oportunidade para a indústria atender as demandas deles”, afirma Libby Costin, vice-presidente Global de Marketing da Tetra Pak.

O estudo ainda revela que, na hora de escolher alimentos e bebidas, 88% das pessoas acima de 60 anos priorizam a qualidade do produto como fator decisivo para a compra e 59% estão dispostos a pagar mais caro para garanti-la.

Na palma da mão

Embalagens cartonadas assépticas individuais oferecem praticidade à  vida da geração Millennials

img-na-palma-da-mao-interna-01

Imagem: Tetra Pak

Os consumidores da geração Millennials, jovens de 20 a 35 anos, trazem novos hábitos e comportamentos que impactam diretamente o mercado de embalagens para bebidas e alimentos.

Os primeiros a nascer com a internet e a crescer em um mundo globalizado são consumidores que pedem novidade, facilidade e agilidade, como aponta estudo global realizado pela Goldman Sachs e divulgado pela Tetra Pak.

O levantamento aponta cinco atributos básicos exigidos pela Geração millennials aos produtos escolhidos para o consumo: o aspecto da embalagem, fácil manuseio e transporte, prático para beber e comer diretamente, embalagem que pode ser fechada novamente e produto sustentável.

Essa demanda de consumo vai ao encontro do uso de embalagens individuais cartonadas assépticas para consumo de bebidas fora de casa. São soluções capazes de atender aos desejos de portabilidade, reistência, sustentabilidade e qualidade de vida apontados pela maioria dos entrevistados.

Mesmo sem citar números, Luiz Calabrese, da área comercial da Alcoa, no fornecimento de alumínio para a produção de embalagens cartonadas assépticas, destaca que as embalagens individuais, portion packs, vêm experimentando forte crescimento no Brasil em função de novos hábitos de consumo. “Numerosos produtos são envasados nessa embalagem, sendo as bebidas lácteas o principal volume. Outras importantes aplicações são sucos naturais , água de coco e achocolatados”, afirma.

“Portion packs oferecem agilidade, mobilidade e qualidade de vida”

A partir da composição de lâminas de papel, polietileno e alumínio, as cartonadas assépticas oferecem praticidade, conservação do produto, e ainda são 100% recicláveis.

O alumínio, segundo Calabrese, representa 5 % do peso da embalagem e tem função fundamental, principalmente como barreira de luz e odor. As folhas de alumínio fornecidas aos desenvolvedores de embalagens têm espessuras de 6,3  (inferior a um fio de cabelo) ou 9.

“As embalagens cartonadas representam uma revolução no acondicionamento e proteção de alimentos. Revolucionam também a cadeia logística da fábrica ao consumidor pela otimização no transporte e na armazenagem. A dispensa de refrigeração e a longa vida útil dos produtos embalados também são fatores importantes para redução do consumo energético e desperdício de alimentos”, conclui Calabrese.

Solução ecológica

Embalagem de alumínio combate desperdício de alimentos e preserva o meio ambiente

O desperdício mundial de alimentos impacta diretamente na preservação dos recursos naturais. A cada ano, 1,3 bilhões de toneladas vão para o lixo. Esses alimentos descartados utilizam um volume de água equivalente ao fluxo anual do rio Volga na Rússia e são responsáveis ​​pela emissão de mais de 3 bilhões de toneladas de gases de efeito estufa na atmosfera do planeta ao ano, além de gerarem um custo de 750 bilhões de dólares anualmente.

img-mat06-02

Os dados fazem parte do estudo “Os Rastros do Desperdício de Alimentos: Impactos sobre os Recursos Naturais”, realizado pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e divulgado em 2013.

Os resultados mostram que o consumo consciente é uma importante arma no combate ao desperdício, começando pelas embalagens. As produzidas com alumínio, além de aumentarem o tempo de vida dos alimentos embalados, contribuem para reduzir o consumo de recursos naturais durante a produção, o transporte e o armazenamento.

Assista ao vídeo “Mais é Menos” e conheça as vantagens do alumínio para a sustentabilidade do planeta. O material foi produzido pela Associação Europeia de Folhas de Alumínio (Alufoil) e adaptado ao consumidor brasileiro pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) .