img-destaque-vinho-em-caixinha

Prático e barato

Embalagem “longa vida” garante bebida saborosa, aromática e mais barata

Apesar de não serem muito populares nas prateleiras dos supermercados brasileiros, o vinho envasado em embalagem cartonada asséptica, o wine in box, vem ganhando adeptos em diferentes países nos últimos anos. Isso porque as caixinhas são mais práticas que a garrafas e os vinhos são mais baratos.

O wine in box é fácil de abrir e pode ser fechado e guardado na geladeira por até 30 dias, porque além da torneira de saída do vinho não permitir a entrada de ar, a embalagem conta ainda com a proteção do alumínio na sua estrutura. São detalhes fundamentais para manter o sabor e o aroma do vinho.

De acordo a sommelier Marcia Anholeti, engana-se quem resiste aos vinhos envasados em cartonadas por receio de comprar bebidas de má qualidade. Ela explica que a embalagem é indicada para vinhos simples de mesa – brancos, rosés e tintos -, que podem ser consumidos em embalagens individuais ou servidos em taças durante as refeições e festas, por exemplo.

Entre os produtores nacionais, rótulos das vinícolas Casa Valduga e Perini estão entre as opções. Bebidas importadas também podem ser compradas em supermercados e lojas especializadas de vinho, como o rótulo Clos de Pirque, da vinícola chilena Concha y Toro, que trouxe para o Brasil vinhos tinto e branco, em embalagens de 1 litro.

A embalagem começou a ser utilizada na Austrália para vinhos com preços mais baixos e venda em quantidade. Surgiram caixas de 4,5 litros, equivalente a seis garrafas de 750ml, quantidade da embalagem padrão de vidro. Hoje apresentam versões diferentes e são comuns nos Estados Unidos, Londres, Argentina e Chile. “São comercializadas em tamanho individual, de 200ml, a até 4.500ml, o equivalente a seis garrafas. No Brasil, em geral, as caixas são de 3.000ml, equivalente a quatro garrafas”, conclui a especialista.

Deixe um comentário:

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *