Papel alumínio, a estrela dos pratos da ceia de Natal

Acessório faz parte dos ingredientes que inovam receitas de carnes preparadas para a festa de fim de ano

Ao pensar no Natal, muita gente já fica com água na boca aguardando pelas delícias e guloseimas da ceia. Mas já parou para pensar que algumas daquelas comidinhas que você tanto gosta não poderiam ser preparadas sem o papel alumínio?

O professor de jornalismo Bernardo Queiroz sabe bem disso. Ele mora em São Paulo e todo ano volta para Pernambuco com uma grande responsabilidade: preparar a ceia de Natal da família. Algumas de suas receitas prediletas só ficam no ponto certo com o uso de papel alumínio.

“Sempre volto para Recife para cozinhar a ceia na casa dos meus pais. Se isso não acontecer, eu sou deserdado”, brinca Bernardo. “Eu chego na véspera porque alguns pratos têm que começar a ser feitos 24 horas antes. E dois dos pratos favoritos são feitos com ajuda do papel alumínio: o peru e a costela de porco.”

O professor, e “chef” por hobby, explica que, sem o material, suas tão esperadas receitas seriam inviáveis. “Para assá-las, precisamos embrulhar a travessa com papel alumínio. Porque usamos a chamada vinha d`alho para temperar as carnes. É uma ‘solução` de vários ingredientes que, sem o papel alumínio, evapora.”

A vinha d`alho é uma mistura de vinho Chardonnay com alho, cebola, pimenta, louro e mel, entre outros ingredientes. Tanto o peru quanto a costela são literalmente mergulhados nesse molho para absorver todos seus sabores durante 24 horas. Depois são levados ao forno na travessa coberta por papel alumínio por três horas (no caso do peru) e duas horas (costela).

“Como as carnes são banhadas em um líquido, boa parte dele vai para a travessa e acabaria evaporando sem o papel alumínio. Você só o retira na hora de finalizar a receita, para a carne ficar crocante”, conta Bernardo. “Minha mãe pegou essa receita em uma revista anos atrás porque ela tinha uma pitada nordestina. A finalização do peru é feita com mel de engenho e depois o prato é servido com farofa de jerimum.”

Bernardo conta que outra vantagem do peru é que ele não precisa ser requentado a todo instante, uma vantagem em uma família grande como a dele. “Podemos servir o peru frio com molho quente. Isso libera o forno para que eu faça outros pratos”, explica Bernardo.

Confira as receitas que fazem tanto sucesso na família do professor:

Peru com vinha d’alho e mel de engenho

Ingredientes:

1 peru
1 garrafa de vinho Chardonnay (se o peru for pequeno, use meia garrafa)
2 dentes de alho
1 cebola
1 pimenta dedo de moça
3 folhas de louro
Um pote pequeno de mel de engenho
Um maço de alecrim
Tempero completo a gosto
Sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:

Leve o vinho, o alho, a cebola, a pimenta, o louro, o alecrim e o tempero picados em pedaços grandes. Verifique o sal (deve ficar mais salgado do que seu paladar usual). Deixe o peru embebido neste tempero por 24 h, sempre na geladeira. Vire o peru de 2/2 h para que pegue bem os temperos.

Asse o peru, banhado na vinha d’alhos, a 200 graus nas primeiras 3 horas coberto por uma folha de alumínio, e então deixe na graduação mínima por mais 3 horas sem o alumínio. De tempos em tempos, regue o peru com o tempero e pincele-o com uma mistura de vinho branco e mel de engenho. Quando já estiver quase no ponto, descarte a maior parte da vinha d’alhos, deixando apenas um dedo de líquido até terminar de assar. Verifique se ficou bem cozido espetando com um garfo (não deve escorrer sangue). A maior parte dos perus vem já com termômetros que indicam que está no ponto. O calor vai criar uma crosta doce do mel de engenho ao redor da pele do peru e dar a ele uma bela cor.

Sirva com a tradicional farofa ou com uma boa farofa de abóbora.

 

Costela de porco

Ingredientes:

4kg de costela de porco, com osso, não fatiada
1 garrafa de vinho tinto seco
4 dentes de alho
2 colheres de sopa de mostarda em grão
3 folhas de louro
Um maço de alecrim
Tempero completo a gosto
Sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:

Da mesma forma que o peru, faça uma marinada com os temperos todos. Deixe o porco na mistura por 24 horas. Descarte a maior parte da marinada. Pré-aqueça o forno a 200 graus e asse lentamente as costelas com a travessa envolvida em papel alumínio por duas horas. Retire o papel alumínio e asse por mais duas horas, regando e virando a cada 30 minutos. É um trabalho de paciência, mas que vale a pena. Elas ficarão douradas e macias. Quando o osso se soltar da carne ao ser puxado, estará no ponto.  Sirva com um purê de batata doce.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *