Shoyu em blister facilita consumo

Selada com película de alumínio, embalagem dispensa uso de tesoura para abertura e vasilha para o consumo do molho

A Asteca Hinomoto optou pelo blister, selado com película de alumínio, para diferenciar a embalagem do molho Hinomoto Shoyu, nas versões premium e light.

A nova embalagem lembra os barcos de sushis oferecidos pelos restaurantes japoneses e facilita a manipulação, podendo ser consumido diretamente, sem a necessidade de uso de vasilha adicional. A aba para abertura  dispensa o uso de tesouras ou rasgos para consumo.

Segundo a empresa, a porção individual de 30 ml tem o objetivo de oferecer mais praticidade para os consumidores e ajudar na redução do desperdício  de alimentos.

Vinho nacional ganha embalagens longa vida

O vinho de mesa Collina agora é envasado em cartonadas assépticas de 1 litro

Com o lançamento do vinho em embalagem cartonada asséptica, a Cooperativa Agroindustrial Nova Aliança inova para oferecer mais praticidade ao consumidor.

“Tradicionalmente essa categoria é ofertada ao mercado em garrafas de 750 mililitros com fechamento de rolha, e a marca Collina é uma delas. Porém, já é percebida a aceitação de diferentes tipos de embalagens pelo consumidor”, explica o coordenador de Marketing da cooperativa, Vinícius Fruet.

Nesse primeiro momento, apenas o vinho suave, que representa 80% do total comercializado pela marca, será lançado na embalagem desenvolvida pela Tetra Pak.

“Queremos nos tornar o principal representante desse produto no Brasil, ao possibilitar um consumo mais acessível e disponibilizar novos momentos de consumo. A nova embalagem também amplia o potencial de exportação da marca”, explica Fruet.

“Comum em países da Europa e América Latina,
embalagem oferece praticidade e conservação do produto”

Dentre as vantagens da embalagem está a conservação do produto. O vinho, quando entra em contato com o ar e a luz, vai perdendo aroma e sabor e, consequentemente, suas características originais em cerca de dois dias, após a abertura da garrafa. As bebidas envasadas nas cartonadas têm como aliada a proteção do alumínio, um dos componentes dessas embalagens. Prática para o consumidor, a caixinha é fácil de abrir e pode ser fechada novamente.

Para a Tetra Pak , o lançamento é uma oportunidade de expansão e fortalecimento da categoria no mercado nacional.

“Já atuávamos juntos com a Nova Aliança com o portfólio de sucos e, então, surgiu a oportunidade de trazer inovação por meio da embalagem na categoria de vinhos, que já é comum em países da Europa e América Latina”, relata Alexandre Shueda, gerente de Marketing da Tetra Pak Brasil.

Latas “brilhantes” são recurso de ações de marketing

Tecnologias de tintas especiais diferenciam embalagens de bebidas em casas noturnas e eventos

Marcas de cervejas e energéticos investem em “latas especiais” de alumínio, para potencializar ações de marketing que as diferenciam também em ambientes escuros. Além da variedade de formatos, os fabricantes inovam com o uso de tintas que permitem a criação de embalagens que acompanham o ritmo do jovem consumidor.

O uso de tintas especiais, quando aplicadas na superfície da lata ou utilizadas para compor o logotipo da marca, fazem a lata brilhar quando exposta à luz ultravioleta. O recurso é utilizado para facilitar a identificação do produto para quem serve e consome, além de destacar a marca entre os frequentadores do local.

Desde 2011, a fabricante de latas Ball oferece ao mercado nacional as tintas Glow in The Dark e Neon. A primeira, lançada durante o festival de música Planeta Atlântica, absorve a luz e brilha no escuro por um período de tempo, na cor verde. A segunda, lançada com a lata Fusion Energy, da Ambev, brilha quando exposta à luz ultravioleta. Essas tecnologias oferecidas pela empresa já foram usadas pelas marcas Skol Beats Sense, Flying Horse, Fusion e Nova Schin, entre outras.

“Avanço tecnológico é adotado para
usar a lata como peça publicitária”

O recurso é adotado por profissionais de criação de embalagens para explorar ao máximo as latas de alumínio como peças publicitárias. O fato de dispor de um rótulo em toda a superfície, cores variadas e tintas especiais transformam a lata em uma embalagem capaz de se destacar – não apenas na gôndola do supermercado, mas também em festas, shows e bares, tanto de dia como de noite.

O avanço tecnológico também permite o desenvolvimento de tintas especiais que “avisam” o consumidor quando a bebida está na temperatura ideal para ser consumida. Lançada no País em 2000, em embalagem de cerveja, tinta é, hoje, produzida de forma contínua e não somente para ações promocionais.

Mercado mundial de aerossol produz mais de 8 bilhões de latas

Setor de cosméticos lidera o consumo de embalagens de alumínio

Em 2018, foram fabricadas 8.140 milhões de latas de alumínio de aerossol em todo o mundo, segundo levantamento recém-divulgado pela Aerobal (Organização de Produtores Internacionais de Recipientes de Aerossol de Alumínio). Cerca de 84% de toda a produção foi utilizada pelo setor de cosméticos. Desodorantes e perfumes representaram 57%.

Para 2019, a Aerobal prevê que os  mercados da Europa e América do Norte tendem a permanecer estáveis ​​em um nível alto de produção. Os da América Central e do Sul, com crescimento de um dígito em 2018, mostram um excelente potencial de expansão.

As propriedades do aerossol de alumínio, que protegem os conteúdos contra a ação da luz, gases e umidade, impedindo a deterioração e qualquer tipo de impureza, são as principais responsáveis pela alta produção, segundo o presidente da Aerobal, Leopold Werdich. “A crescente demanda por produtos para cuidados com o corpo, como espumas de banho e de barbear e protetores solar, apoiará a evolução do mercado nos próximos meses. Para isso, devemos acrescentar um interesse crescente de clientes farmacêuticos, que valorizam cada vez mais as vantagens da lata de aerossol de alumínio”.

Curso Embalagens de Transporte aborda custos e perdas na logística

Programação reforça práticas capazes de tornar empresas mais competitivas

 De 17 a 19 de setembro, o Instituto de Embalagens promoverá, em São Paulo, o Curso Embalagens de Transporte. A programação abordará estratégias e práticas que impactam na redução de custos e perdas que envolvem as diferentes estapas do processo logístico.

“Uma embalagem de transporte bem dimensionada pode tornar a empresa mais competitiva. É comum encontrar até 20 % de oportunidades de otimização nesta área da empresa”, ressalta Assunta Napolitano Camilo, diretora do Instituto de Embalagens.

O público-alvo do curso são os profissionais que atuam na área de intralogística e logística das empresas. As inscrições podem ser feitas pelo e-mail: janaina@ideembalagens.com.br ou pelo website: www.institutodeembalagens.com.br

Curso Embalagens de Transporte
Data: 17 a 19 de setembro
Horário: das 8h às 17h
Local: Auditório da Abiplast
Avenida Paulista, 2439, 8° andar, São Paulo

Latinha conquista mercado de cervejas artesanais

Em entrevista ao portal Embalagens de Alumínio, Thaís Moraes, gerente de Comunicação e Comunidades da Ball, fala sobre o crescimento do setor e da opção pela lata de alumínio


Embalagens de Alumínio – O mercado de cervejas artesanais tem apostado nas latas de alumínio para lançar novos rótulos. É um segmento promissor para os fabricantes?

 Thaís Moraes – Sim, é promissor. Com a consolidação do mercado de cervejas artesanais no Brasil, diversas cervejarias vêm adotando a lata como embalagem e uma série de lançamentos chegou ao mercado nos últimos anos. A migração do envase em garrafas para latinhas começou de forma tímida em 2015, quando surgiram as primeiras cervejas artesanais brasileiras em lata, como a Dado Bier (Porto Alegre) e a Dádiva (Várzea Paulista), por exemplo.

Hoje, com o perfil do consumidor moderno buscando novas experimentações, as cervejarias artesanais têm um papel importante de valorizar o momento de consumo, com destaque para o sabor, a partir da adição de novos ingredientes e variedade. A lata tem, então, se tornado a opção de embalagem para diversas cervejarias artesanais. Depois de um crescimento de 39% no número de cervejarias artesanais no País em 2017, um estudo revelou que, nos primeiros nove meses de 2018, foram registradas 156 novas cervejarias, uma média de quatro a cada semana. A pesquisa foi divulgada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que apontou também 835 fábricas em atividade, número 23% maior do registrado em dezembro de 2017.

EA – Quais as principais vantagens da opção pela lata?

 TM – Para os produtores, envasar cerveja em lata aumenta o leque de opções de tamanhos e preços, além de baratear o custo do transporte, pois, em um mesmo espaço, um caminhão, por exemplo, carrega mais bebidas – em termos de volume (litros) – envasadas em lata do que em relação a outras embalagens. O empilhamento também é facilitado, pois o fundo de uma lata se encaixa perfeitamente na tampa de outra.

Vale lembrar que, segundo os produtores, existem vários motivos para a escolha da latinha para as cervejas especiais. Este tipo de embalagem protege completamente a bebida dos raios UV, preservando o seu sabor. Isso porque, em contato com a luz, a cerveja perde suas características, o chamado efeito light-struck – degradação da molécula que dá amargor ao lúpulo.

Os profissionais relatam ainda que, na lata, obtemos o sabor praticamente exato do envase, o que é mais difícil com o vidro, por exemplo, que permite a entrada de luz. Outro ponto para a escolha desse tipo de embalagem é que a lata não transmite sabor à bebida, pois o produto não entra em contato com o alumínio, uma vez que a lata é selada internamente por um verniz inodoro que protege o líquido.

Além do fator sabor, a latinha traz ao consumidor flexibilidade para consumir cervejas artesanais em lugares não convencionais, como na praia, por exemplo.

EA – As cervejarias artesanais geralmente produzem em baixo volume, em comparação às grandes marcas. Esse é um empecilho para as marcas aderirem às latas?

 TM – A escala do Craft Beer é extremamente reduzida. Por este motivo, o mercado de cervejas artesanais enfrentava barreiras, pois os fabricantes de latas não conseguiam atender a pequenas demandas e trabalhavam com grandes volumes de produção. A Ball conseguiu criar um modelo de atendimento diferenciado e desenvolver soluções para fornecer lotes menores de latas, além de realizar negociações que favorecessem o cervejeiro artesanal. Fabricamos embalagens para diversas marcas artesanais, como Colorado, NOI, OverHop, Allegra, Matilha, Dado Bier, Irada e Hocus Pocus.

Embalagem conectada “fala” com o consumidor

Digitalização oferece novas possibilidades de interação com o consumidor de alimentos embalados em cartonadas assépticas

Animações de personagens mitológicos convidam o consumidor a acessar informações sobre a tecnologia aplicada às embalagens cartonadas assépticas, detalhando cada componente utilizado e como protegem o alimento, sem a presença de aditivos. Esse recurso digital foi a tecnologia utilizada nas caixas longa vida da Tetra Pak em campanha de conscientização, para combater a falsa informação de que produtos embalados em caixinhas duram mais por terem conservantes em sua formulação.

Essa inovação, segundo Alexandre Schueda, gerente de Marketing de Bebidas da Tetra Pak Brasil, exemplifica os recursos de comunicação oferecidos pela tecnologia de embalagem conectada, que, desenvolvida pela empresa, é capaz de oferecer novas possibilidades de interação com o consumidor e comunicar ou reforçar atributos e projetos da marca.

As novas possibilidades de interação vão desde o desenvolvimento de promoções e jogos até ações que gerem engajamento e fidelização com o público”, explica.

De acordo com Schueda, a embalagem conectada atende às expectativas do atual consumidor, que demanda comunicação mais rápida e direta com as marcas.

“O consumidor também está cada vez mais crítico e em busca de uma relação de consumo mais transparente. Nesse sentido, os fabricantes de alimentos e bebidas poderão não apenas abrir um novo canal de diálogo com os consumidores, mas também resgatar a credibilidade quanto à qualidade e benefícios de seus produtos. O recurso também pode ser usado, por exemplo, para comunicar e engajar o consumidor em projetos sociais apoiados pela empresa ou mesmo para convidá-lo a participar de promoções e ações que gerem fidelização”.

“Consumidores acessam imagens e informações por meio de aplicativos”

Em um futuro próximo, as embalagens conectadas poderão ser rastreadas ao longo de todo o ciclo de vida do produto, fornecendo informações quase que em tempo real sobre o seu desempenho na cadeia de distribuição. Dentro da indústria, será possível rastrear cada processo ao qual o produto foi submetido antes de ser enviado para distribuição (origem da matéria-prima, data de processamento e envase, lote, quais linhas de produção ele passou etc).

O processo é praticamente o mesmo aplicado à produção de embalagens convencionais, havendo pequenos ajustes na unidade fabril para a aplicação da tecnologia. Nos projetos em desenvolvimento no Brasil, segundo Schueda, a empresa trabalha com as tecnologias que utilizam os códigos DataMatrix e QR Code.

“O custo para o cliente estará na instalação de servidores e sistemas que permitam o armazenamento das informações de cada embalagem, bem como o desenvolvimento dos aplicativos para o acesso do consumidor. Este não costuma ser um custo alto, principalmente se consideradas as possibilidades abertas pelas embalagens conectadas, seja em novas formas de interação com o consumidor ou por permitir a rastreabilidade de cada produto fabricado”, conclui.

 A arte da coquetelaria em lata formato sleek

Gim tônica em embalagem de alumínio oferece sabor, praticidade e incentivo à reciclagem

A arte da coquetelaria está mais acessível. O tradicional gim tônica agora pode ser consumido em diversas ocasiões, eventos, em casa ou na praia. Basta abrir a latinha de alumínio e saborear o drink gelado. A nova bebida, a Ginta, promete facilitar o acesso aos destilados.

Desenvolvida por um grupo de quatro amigos da zona sul do Rio de Janeiro, a linha de produtos chega ao mercado em três versões: Clássico (limão siciliano, laranja e tangerina), Berries (romã, açaí, morango, cranberry e amora) e Ginger (mel e gengibre). Pronta para ser consumida, a receita desenvolvida mistura gim artesanal e tônicas aromatizadas naturalmente.

“Além da facilidade de transporte e praticidade,
a latinha é 100% reciclável”

Após estudo de mercado, os sócios entenderam que a lata é a embalagem que mais se encaixa aos valores da marca. (duplo espaço) Além da facilidade de transporte e praticidade, a latinha é 100% reciclável e, se descartada corretamente, volta ao mercado em apenas 60 dias. É a embalagem mais reciclada do País, com uma taxa de 97,3%, enquanto PET e vidro seguem com 59% e 47%, respectivamente.

No tamanho ideal para um drink gelado, a latinha de formato 269ml sleek, foi produzida pela Ball. Segundo Hugo Magalhães, gerente de Marketing e Novos Negócios da Ball Embalagens para Bebidas América do Sul, a embalagem foi escolhida para gerar a melhor experiência de consumo ao público.

“A Ball vem conectando suas expertises e realizando testes para designar o formato de lata correto para cada bebida. Acreditamos que um produto de qualidade, na embalagem certa, na dose certa e atendendo a ocasião de consumo a que se propõe, tem tudo para ser um sucesso para o consumidor”, avalia.

SIG inicia produção com alumínio certificado

Lançamento de cartonadas assépticas com película certificada pela ASI começa na Bélgica

Em parceria com a B-Better, marca startup da Future Platform da Unilever, a SIG começa a oferecer aos consumidores embalagens cartonadas assépticas com película de alumínio certificado pela ASI (Aluminium Stewardship Initiative), organização global que define normas para o desempenho de sustentabilidade para a cadeia de valor do alumínio. O primeiro país a receber a nova embalagem será a Bélgica.

“A SIG foi a primeira do setor a obter a certificação com padrão ASI e estamos satisfeitos com a chegada em breve dessas primeiras embalagens às prateleiras dos supermercados. A certificação ASI soma-se ao extenso portfolio de soluções que oferecemos para ajudar nossos clientes a atenderem as demandas crescentes dos consumidores por embalagens sustentáveis”, diz Martin Herrenbrück, presidente & gerente geral da SIG na Europa.

Iogurte em caixinha dispensa refrigeração

Dupla pasteurização e embalagem cartonada asséptica garantem validade de até quatro meses para bebida láctea

A Betânia Lácteos, fabricante de laticínios do Nordeste, optou pela embalagem cartonada asséptica para lançar na região o Yogi&Leve, bebida desenvolvida a base de iogurte que dispensa refrigeração. Produzida 100% de leite, a bebida tem dupla pasteurização e é envasada em  embalagem longa vida, o que garante o diferencial, segundo o fabricante.

De acordo com a empresa, a formulação da Yogi&Leve foi desenvolvida na Suécia, a partir de cases da China, em parceria com a Christian Hansen, especializada em soluções de fermentos lácteos, e com a Tetra Pak. O produto é acondicionado em embalagens Tetra Prisma de 200 mililitros. O Yogi&Leve alcança prazo de validade de até quatro meses, sem necessidade de adição de conservantes ou ingredientes artificiais, o que reduz a perda de produto ao longo da cadeia de produção, distribuição e venda.

“Mais de 60% do consumo de iogurtes tradicionais
acontece entre um compromisso e outro”

O lançamento vai ao encontro das mudanças de consumo dos brasileiros que, cada vez mais, buscam opções de bebidas que possam ser consumidas em trânsito. Segundo pesquisas da Tetra Pak e da Betânia Lácteos, mais de 60% do consumo de iogurtes tradicionais acontece entre um compromisso e outro, sendo que 40% dos brasileiros mantêm bebidas lácteas em sua dieta.

Segundo Bruno Girão, CEO da Betânia Lácteos, o objetivo é oferecer um produto que proporcione praticidade, conveniência e nutrição ao consumidor. “Hoje as pessoas passam boa parte do dia fora de casa e em trânsito, entre o trabalho, a academia, o lazer e a universidade. E estão cada vez mais preocupadas em se alimentar de maneira mais saudável fora de casa, o que para elas não é fácil. O Yogi&Leve é uma opção de lanche nutritivo para consumir em qualquer lugar”, destaca.