Cervejaria lança versão em lata para ampliar consumo

Bebida artesanal chega ao mercado em lata de alumínio de 310 ml

Apenas nos primeiros nove meses de 2018, foram registradas 156 novas cervejarias no País, uma média de quatro a cada semana. Esse segmento fechou o ano com 835 fábricas em atividade, número 23% maior do registrado em dezembro de 2017, segundo levantamento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Esse crescimento reflete diretamente no consumo de latas de alumínio para bebidas, que têm se tornado a opção de embalagens para diversas cervejarias artesanais, como a curitibana  Way Beer.

Opção em lata deve popularizar cerveja artesanal

Para conquistar um novo público, além da praticidade, a bebida envasada em latinhas de 310 ml e vendida por R$ 4,99, a Wayzinha foi criada para atender aos consumidores que não têm o hábito de beber cerveja artesanal com frequência, segundo Alessandro Oliveira, mestre cervejeiro e sócio proprietário da marca.

“Hoje, a maior parte das cervejas artesanais tem um valor muito alto e isso restringe o público. A pessoa compra uma garrafinha e toma num momento especial, para harmonizar com alguma comida”, explica Oliveira.

De acordo com o mestre cervejeiro, o produto é voltado para um consumo mais rotineiro sem deixar de lado as características típicas de uma bebida artesanal. A Wayzinha é produzida com malte brasileiro da região de Entre Rios, em Guarapuava (PR). Apenas 10% da matéria-prima é importada da Alemanha.

“Efeito memória” de bisnagas protege cremes e pomadas

Bisnaga de alumínio evita contaminação de produtos semissólidos

A bisnaga de alumínio é a única de deformação permanente, conhecida como efeito memória. Ao pressionar a embalagem, contendo produtos semissólidos (cremes e pomadas), o consumidor evita o risco de utilizar um produto contaminado pela oxidação.

Somada ao diferencial de impedir a entrada do oxigênio responsável pela degradação do produto ou anulação dos efeitos de sua composição, está a proteção contra ações externas (luz, oxigênio, umidade).

“As embalagens permitem variações de formas e diferentes acabamentos”

Além das propriedades do metal, o processo de fabricação reforça a garantia de segurança. As embalagens são produzidas com discos de alumínio primário puro, o que impede perfurações, em processo totalmente automatizado, sem qualquer contato manual.

As bisnagas de alumínio também favorecem a criatividade e a inovação de design. As embalagens permitem variações de formas e diferentes acabamentos: fosco, polido, colorido e envernizado. Os variados diâmetros dos slugs, discos de alumínio utilizados para a produção da embalagem, permitem o acondicionamento de 3g a 180g de produtos semissólidos.

Projeto da Tetra Pak forma agentes socioambientais

O Recicla Cidade capacita trabalhadores de cooperativas para estimular conscientização ambiental da população

Para incentivar a reciclagem de embalagens, a Tetra Pak adota o caminho da conscientização. Com o projeto Recicla Cidade, a empresa busca empoderar trabalhadores de cooperativas de materiais recicláveis e destacar a importância econômica, social e ambiental da reciclagem.

A proposta é baseada na capacitação dos cooperados para que sejam agentes de transformação socioambiental.  Após treinamento, os participantes começam a atuar junto a estabelecimentos comerciais, escolas e moradores. Ou seja, eles vão a campo para estimular a conscientização ambiental da população e, consequentemente, a destinação adequada dos resíduos sólidos.

Além de capacitação dos cooperados, a iniciativa  envolve etapas como o diagnóstico da cidade e da cooperativa, evento de abertura, mobilização de diferentes stakeholders e ações de sensibilização na região.

“Empresa quer dar visibilidade a trabalhadores de cooperativas”

“Há mais de 20 anos desenvolvemos iniciativas socioambientais e percebemos que ainda existe um estigma em torno das cooperativas e seus trabalhadores, o que os torna socialmente invisíveis. Com esse projeto, buscamos não somente aumentar o volume e a qualidade dos materiais coletados na região, mas também empoderar e dar visibilidade a uma categoria com enorme potencial para promover transformações”, comenta Valeria Michel, diretora de Economia Circular da Tetra Pak para as Américas.

Segundo a empresa, em 2018, o projeto piloto desenvolvido no bairro do Jabaquara, em São Paulo, contribuiu para uma ampliação de 44% no volume de materiais recicláveis coletados. O resultado ultrapassou a meta desejada de aumento de 20% do volume de resíduos recicláveis destinados à cooperativa local. Neste ano, o projeto foi implantado aos cooperados da Cotmap, localizada em Piedade (SP), em parceria com a ONG Espaço Urbano.

Com stand up pouch, iogurte pode ficar 6h fora da geladeira

A novidade chega aos consumidores do Nordeste com a marca Betânia

 Em embalagem flexível stand up pouch, o iogurte Merendinha, da Betânia, pode permanecer até 6 horas fora da geladeira. Além de praticidade de consumo, as  tampas do modelo Baby Cap, da Gualapack, possuem formato grande e vazado, antiengolimento e antissufocamento, oferecendo segurança ao público-alvo infantil.

De acordo com a marca, o  Merendinha  “consolida no Nordeste o stand up pouch com bico – já aprovado no mercado brasileiro – e traz às famílias nordestinas  conveniência, com a graça e a leveza dos personagens da Turma da Mônica.

Latas de Red Bull ganham personagens de League of Legends

Edição limitada promove evento Red Bull Player One

Para promover o evento Red Bull Player One, torneio mundial de 1×1 de League of Legends, a marca lançou latas personalizadas com campeões do vídeo game League of Legends (LoL). Os personagens escolhidos são Ahri, Ezreal, Draven e Lux. As latas têm edição limitada e são vendidas apenas no site do Pão de Açúcar.

Cada lata tem um código promocional que garante a participação em um sorteio de uma viagem completa para a final do mundial do Red Bull Player One, que acontecerá em dezembro em São Paulo.

Shoyu em blister facilita consumo

Selada com película de alumínio, embalagem dispensa uso de tesoura para abertura e vasilha para o consumo do molho

A Asteca Hinomoto optou pelo blister, selado com película de alumínio, para diferenciar a embalagem do molho Hinomoto Shoyu, nas versões premium e light.

A nova embalagem lembra os barcos de sushis oferecidos pelos restaurantes japoneses e facilita a manipulação, podendo ser consumido diretamente, sem a necessidade de uso de vasilha adicional. A aba para abertura  dispensa o uso de tesouras ou rasgos para consumo.

Segundo a empresa, a porção individual de 30 ml tem o objetivo de oferecer mais praticidade para os consumidores e ajudar na redução do desperdício  de alimentos.