Latinha conquista mercado de cervejas artesanais

Em entrevista ao portal Embalagens de Alumínio, Thaís Moraes, gerente de Comunicação e Comunidades da Ball, fala sobre o crescimento do setor e da opção pela lata de alumínio


Embalagens de Alumínio – O mercado de cervejas artesanais tem apostado nas latas de alumínio para lançar novos rótulos. É um segmento promissor para os fabricantes?

 Thaís Moraes – Sim, é promissor. Com a consolidação do mercado de cervejas artesanais no Brasil, diversas cervejarias vêm adotando a lata como embalagem e uma série de lançamentos chegou ao mercado nos últimos anos. A migração do envase em garrafas para latinhas começou de forma tímida em 2015, quando surgiram as primeiras cervejas artesanais brasileiras em lata, como a Dado Bier (Porto Alegre) e a Dádiva (Várzea Paulista), por exemplo.

Hoje, com o perfil do consumidor moderno buscando novas experimentações, as cervejarias artesanais têm um papel importante de valorizar o momento de consumo, com destaque para o sabor, a partir da adição de novos ingredientes e variedade. A lata tem, então, se tornado a opção de embalagem para diversas cervejarias artesanais. Depois de um crescimento de 39% no número de cervejarias artesanais no País em 2017, um estudo revelou que, nos primeiros nove meses de 2018, foram registradas 156 novas cervejarias, uma média de quatro a cada semana. A pesquisa foi divulgada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que apontou também 835 fábricas em atividade, número 23% maior do registrado em dezembro de 2017.

EA – Quais as principais vantagens da opção pela lata?

 TM – Para os produtores, envasar cerveja em lata aumenta o leque de opções de tamanhos e preços, além de baratear o custo do transporte, pois, em um mesmo espaço, um caminhão, por exemplo, carrega mais bebidas – em termos de volume (litros) – envasadas em lata do que em relação a outras embalagens. O empilhamento também é facilitado, pois o fundo de uma lata se encaixa perfeitamente na tampa de outra.

Vale lembrar que, segundo os produtores, existem vários motivos para a escolha da latinha para as cervejas especiais. Este tipo de embalagem protege completamente a bebida dos raios UV, preservando o seu sabor. Isso porque, em contato com a luz, a cerveja perde suas características, o chamado efeito light-struck – degradação da molécula que dá amargor ao lúpulo.

Os profissionais relatam ainda que, na lata, obtemos o sabor praticamente exato do envase, o que é mais difícil com o vidro, por exemplo, que permite a entrada de luz. Outro ponto para a escolha desse tipo de embalagem é que a lata não transmite sabor à bebida, pois o produto não entra em contato com o alumínio, uma vez que a lata é selada internamente por um verniz inodoro que protege o líquido.

Além do fator sabor, a latinha traz ao consumidor flexibilidade para consumir cervejas artesanais em lugares não convencionais, como na praia, por exemplo.

EA – As cervejarias artesanais geralmente produzem em baixo volume, em comparação às grandes marcas. Esse é um empecilho para as marcas aderirem às latas?

 TM – A escala do Craft Beer é extremamente reduzida. Por este motivo, o mercado de cervejas artesanais enfrentava barreiras, pois os fabricantes de latas não conseguiam atender a pequenas demandas e trabalhavam com grandes volumes de produção. A Ball conseguiu criar um modelo de atendimento diferenciado e desenvolver soluções para fornecer lotes menores de latas, além de realizar negociações que favorecessem o cervejeiro artesanal. Fabricamos embalagens para diversas marcas artesanais, como Colorado, NOI, OverHop, Allegra, Matilha, Dado Bier, Irada e Hocus Pocus.

Embalagem conectada “fala” com o consumidor

Digitalização oferece novas possibilidades de interação com o consumidor de alimentos embalados em cartonadas assépticas

Animações de personagens mitológicos convidam o consumidor a acessar informações sobre a tecnologia aplicada às embalagens cartonadas assépticas, detalhando cada componente utilizado e como protegem o alimento, sem a presença de aditivos. Esse recurso digital foi a tecnologia utilizada nas caixas longa vida da Tetra Pak em campanha de conscientização, para combater a falsa informação de que produtos embalados em caixinhas duram mais por terem conservantes em sua formulação.

Essa inovação, segundo Alexandre Schueda, gerente de Marketing de Bebidas da Tetra Pak Brasil, exemplifica os recursos de comunicação oferecidos pela tecnologia de embalagem conectada, que, desenvolvida pela empresa, é capaz de oferecer novas possibilidades de interação com o consumidor e comunicar ou reforçar atributos e projetos da marca.

As novas possibilidades de interação vão desde o desenvolvimento de promoções e jogos até ações que gerem engajamento e fidelização com o público”, explica.

De acordo com Schueda, a embalagem conectada atende às expectativas do atual consumidor, que demanda comunicação mais rápida e direta com as marcas.

“O consumidor também está cada vez mais crítico e em busca de uma relação de consumo mais transparente. Nesse sentido, os fabricantes de alimentos e bebidas poderão não apenas abrir um novo canal de diálogo com os consumidores, mas também resgatar a credibilidade quanto à qualidade e benefícios de seus produtos. O recurso também pode ser usado, por exemplo, para comunicar e engajar o consumidor em projetos sociais apoiados pela empresa ou mesmo para convidá-lo a participar de promoções e ações que gerem fidelização”.

“Consumidores acessam imagens e informações por meio de aplicativos”

Em um futuro próximo, as embalagens conectadas poderão ser rastreadas ao longo de todo o ciclo de vida do produto, fornecendo informações quase que em tempo real sobre o seu desempenho na cadeia de distribuição. Dentro da indústria, será possível rastrear cada processo ao qual o produto foi submetido antes de ser enviado para distribuição (origem da matéria-prima, data de processamento e envase, lote, quais linhas de produção ele passou etc).

O processo é praticamente o mesmo aplicado à produção de embalagens convencionais, havendo pequenos ajustes na unidade fabril para a aplicação da tecnologia. Nos projetos em desenvolvimento no Brasil, segundo Schueda, a empresa trabalha com as tecnologias que utilizam os códigos DataMatrix e QR Code.

“O custo para o cliente estará na instalação de servidores e sistemas que permitam o armazenamento das informações de cada embalagem, bem como o desenvolvimento dos aplicativos para o acesso do consumidor. Este não costuma ser um custo alto, principalmente se consideradas as possibilidades abertas pelas embalagens conectadas, seja em novas formas de interação com o consumidor ou por permitir a rastreabilidade de cada produto fabricado”, conclui.

 A arte da coquetelaria em lata formato sleek

Gim tônica em embalagem de alumínio oferece sabor, praticidade e incentivo à reciclagem

A arte da coquetelaria está mais acessível. O tradicional gim tônica agora pode ser consumido em diversas ocasiões, eventos, em casa ou na praia. Basta abrir a latinha de alumínio e saborear o drink gelado. A nova bebida, a Ginta, promete facilitar o acesso aos destilados.

Desenvolvida por um grupo de quatro amigos da zona sul do Rio de Janeiro, a linha de produtos chega ao mercado em três versões: Clássico (limão siciliano, laranja e tangerina), Berries (romã, açaí, morango, cranberry e amora) e Ginger (mel e gengibre). Pronta para ser consumida, a receita desenvolvida mistura gim artesanal e tônicas aromatizadas naturalmente.

“Além da facilidade de transporte e praticidade,
a latinha é 100% reciclável”

Após estudo de mercado, os sócios entenderam que a lata é a embalagem que mais se encaixa aos valores da marca. (duplo espaço) Além da facilidade de transporte e praticidade, a latinha é 100% reciclável e, se descartada corretamente, volta ao mercado em apenas 60 dias. É a embalagem mais reciclada do País, com uma taxa de 97,3%, enquanto PET e vidro seguem com 59% e 47%, respectivamente.

No tamanho ideal para um drink gelado, a latinha de formato 269ml sleek, foi produzida pela Ball. Segundo Hugo Magalhães, gerente de Marketing e Novos Negócios da Ball Embalagens para Bebidas América do Sul, a embalagem foi escolhida para gerar a melhor experiência de consumo ao público.

“A Ball vem conectando suas expertises e realizando testes para designar o formato de lata correto para cada bebida. Acreditamos que um produto de qualidade, na embalagem certa, na dose certa e atendendo a ocasião de consumo a que se propõe, tem tudo para ser um sucesso para o consumidor”, avalia.

SIG inicia produção com alumínio certificado

Lançamento de cartonadas assépticas com película certificada pela ASI começa na Bélgica

Em parceria com a B-Better, marca startup da Future Platform da Unilever, a SIG começa a oferecer aos consumidores embalagens cartonadas assépticas com película de alumínio certificado pela ASI (Aluminium Stewardship Initiative), organização global que define normas para o desempenho de sustentabilidade para a cadeia de valor do alumínio. O primeiro país a receber a nova embalagem será a Bélgica.

“A SIG foi a primeira do setor a obter a certificação com padrão ASI e estamos satisfeitos com a chegada em breve dessas primeiras embalagens às prateleiras dos supermercados. A certificação ASI soma-se ao extenso portfolio de soluções que oferecemos para ajudar nossos clientes a atenderem as demandas crescentes dos consumidores por embalagens sustentáveis”, diz Martin Herrenbrück, presidente & gerente geral da SIG na Europa.

Pets ganham bebida em latinhas de alumínio

Cervejaria Colorado lança proteína líquida Cãolorado em latas de 269 ml

A lata de alumínio para bebidas começa a chegar às gôndolas dos pet shops do Brasil. Trata-se da embalagem escolhida pela Cervejaria Colorado para lançar a Cãolorado, uma proteína líquida sem teor alcoólico e rica em vitaminas e fibras. Desenvolvida por profissionais do setor de nutrição e veterinários especialistas em alimentação animal, a bebida é feita com extrato de malte e levedo de cerveja, disponível nos sabores carne e frango.

“Como sabemos, os animais não podem consumir a cerveja que estamos acostumados, mas queremos falar com os amantes da bebida. A nossa ideia é trazer esse produto para quem já consome as cervejas da Colorado ou para aqueles que ainda não conhecem a marca, mas possuem um cachorro em casa”, explica Guilherme Poyares, gerente de Marketing da Colorado. A cerveja é acondicionada em latas de 269 ml.