Sachê alia eficiência de marketing e proteção da folha de alumínio

Embalagem beneficia crescimento da indústria de cosméticos de diferentes portes

O Brasil ocupa o quarto lugar no ranking dos maiores consumidores de produtos de higiene e beleza. Em 2017, a indústria do setor registrou um faturamento de 102 milhões de reais, uma alta de 3,2% em relação a 2016 (99 milhões de reais). E para este ano a expectativa de crescimento é de cerca de 3,8%.

Os resultados positivos, apesar da crise econômica, alimentam o segmento de cosméticos composto por aproximadamente 1.500 empresas, segundo dados da Artpack, fornecedora de sachês para a indústria nacional.

De acordo com Carlos Signei de Souza, presidente da Artpack, os produtos de higiene e limpeza disputam cada centímetro de gôndola, cada cliente na venda direta, e a utilização do produto em amostras ainda é a melhor forma para divulgação. Cerca de 86% de nossa produção da empresa é voltada aos sachês de amostra grátis. Souza ressalta que “as principais marcas se beneficiam com a estratégia de fazerem seus produtos diferenciados serem conhecidos através da distribuição agressiva de amostra grátis, seja elas em sachês ou miniaturas”.

Produzidos em pequenas quantidades, sachês não são privilégio das grandes marcas

Além de eficiente ferramenta de marketing, o executivo destaca o diferencial da embalagem graças à presença do alumínio, que garante barreira contra a luz e evita a perda de produto, impedindo-o de atravessar a embalagem. “Envasado em sachê composto apenas de polietileno e poliéster, em um ano, há perda de 5% de líquido”, explica.

Há uma década, a tecnologia passou a ser mais acessível às pequenas e médias indústrias de cosméticos. “Quando fundamos a Artpack, em 2017, o setor contava com empresas que forneciam sachês em apenas grandes quantidades, de 30 a 100 mil unidades. Passamos a oferecer lotes de no mínimo 3 mil, utilizando maquinário apropriado para pequenas quantidades. Começamos com 10 clientes e hoje atendemos cerca de 250 empresas”, conclui Souza.

Na Europa, embalagem prolonga shelf life de aves refrigeradas

Embalado a vácuo, frango pode ser assado diretamente em bandeja de alumínio

Para evitar o desperdício de alimentos, frequentemente associado a níveis mais altos de produção, como no caso da carne de frango que atingiu na Grã-Bretanha 182,2 mil toneladas em 2017, um aumento de 1,4% em relação ao ano anterior, empresas europeias investem no desenvolvimento de embalagens de alumínio capazes de prolongar o shelf life dos alimentos e oferecer mais conveniência ao consumidor.

Com o objetivo de atender essas necessidades, a Advanta, com sede no Reino Unido, desenvolveu para os  processadores de frango europeus uma embalagem que combina proteção do alimento e praticidade ao consumidor. Na nova solução, a ave é comercializada inteira em uma bandeja de alumínio pronta para cozinhar, bastando retirar o filme plástico que a envolve.

O porta-voz da empresa, Miguel Campos, explica que a “ave é embalada a vácuo na bandeja de alumínio, eliminando o oxigênio e, portanto, aumentando a vida útil das aves refrigeradas em até 300%. Os varejistas e os fabricantes estão cada vez mais optando por esse tipo de embalagem, porque os produtos com prazo de validade mais longo resultam em redução do desperdício da cadeia de suprimentos”.

Embalagem aumenta a vida útil das aves refrigeradas em até 300% e bandeja de alumínio suporta temperaturas que variam de -40°C a 400°C

Segundo a empresa, tanto a demanda do consumidor por conveniência quanto as exigências dos varejistas por prazos mais longos têm redirecionado as prioridades das embalagens para aves. “Como o consumo continua a crescer, novos conceitos são necessários para garantir que a embalagem seja adequada.  Independente da qualidade ou sabor de um produto, a embalagem sempre terá um impacto significativo sobre o consumidor”, afirma Campos.

A nova solução permite que a ave seja cozida diretamente na bandeja de alumínio que suporta temperaturas que variam de -40°C a 400°C, permanecendo inquebrável.  Também é 100%  reciclável, oferecendo uma opção mais ecológica, ao contrário das alternativas de bandejas plásticas ou de isopor.

Alufoil Trophy 2018 recebe inscrições até 15 de agosto

Premiação, promovida pela ABAL na América Latina, reconhece inovações da aplicação de folha de alumínio em embalagens

As inscrições para o  Alufoil Trophy | América Latina 2018 estarão abertas até 15 de agosto, para a participação de fabricantes, conversores, fornecedores de materiais, detentores de marcas, designers e grupos de consumo, bem como fabricantes de produtos industriais.

Neste ano, a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) traz para a América Latina o Alufoil Trophy, promovido na Europa pela  European Aluminium Foil Association (EAFA), com o apoio da Global Aluminium Foil Roller Initiative (GLAFRI). A premiação tem como objetivo reconhecer  inovações e soluções que contenham folhas de alumínio como parte de um laminado, estrutura ou sistema de embalagem e fechamentos (tampas).

As três categorias da competição cobrem as áreas mais importantes da fabricação de folhas de alumínio e suas aplicações: Marketing, Design e Conveniência do Consumidor, Eficiência de Recursos e Inovação e Proteção do Produto.

Faça sua inscrição online clicando aqui .

Cervejaria alemã lança bebida em taça de alumínio

Inovação favorece consumo de cerveja em lata em eventos e festas

A Beck’s, marca alemã de cerveja da AB InBev, em parceria com a agência Serviceplan, aproveitou a flexibilidade do alumínio para lançar uma inovadora embalagem de cerveja: latinha em formato de taça  de champanhe, em alumínio escovado com gravação a laser e analógica para compor o rótulo.

O objetivo da inovação é levar a cerveja em lata para locais onde não é tradicionalmente consumida, como galerias de arte, concertos de música clássica e outros eventos na Alemanha.

Devido à boa aceitação, a Beck’s deverá lançar as taças de alumínio para cervejas em todo o mundo.