Cápsulas são aliadas dos negócios sustentáveis

Embalagens de alumínio permitem logística reversa adotada pela Nespresso

As cápsulas de alumínio, por serem 100% recicláveis, são as principais aliadas da política de economia sustentável da Nespresso. No mundo, a marca investe anualmente cerca de 25 milhões de francos suíços em reciclagem.

Segundo a fabricante de café, o volume de embalagens recicladas cresce mensalmente no Brasil, devido a campanhas de coleta voltadas a consumidores e empresas. Em 2017, a Nespresso reciclou 13,3% do volume vendido, o índice ficou em 8,6% no ano anterior.

Por meio de logística reversa, as embalagens são levadas ao Centro de Reciclagem Barueri, em São Paulo.  Um processo mecânico, sem uso de água, separa os dois subprodutos das cápsulas: alumínio e borra de café. O alumínio é enviado para uma empresa parceira que realiza a reciclagem do metal e o café é destinado para a produção de adubo orgânico, segundo Claudia Leite, Head de Cafés e Sustentabilidade Nespresso Brasil.

Empresa investe anualmente cerca de 25 milhões de francos suíços em reciclagem

Segundo Cláudia, como as cápsulas de café Nespresso são produzidas na Suíça, é logisticamente inviável que o material coletado no Brasil seja enviado para produção de novas cápsulas. “Cada mercado em que a empresa atua é responsável por encontrar localmente o destino correto para o material”, explica.

O consumidor entrega voluntariamente as cápsulas nos pontos de coleta da Nespresso, localizados nas boutiques em diversas cidades do país ou parceiros da marca. Além disso, a empresa oferece nas cidade de São Paulo e do Rio de Janeiro serviço de entrega rápida por bicicleta, em que o ciclista pode recolher as cápsulas no momento da entrega.

Para mais de 200 clientes da linha profissional, a empresa oferece serviço de coleta dedicada ou de coleta no momento da entrega do pedido. Nesse caso, a logística é toda realizada por veículos elétricos, sem emissão de poluentes.

“A Nespresso tem o compromisso com reciclagem desde 1991, quando o processo iniciou na Suíça. No Brasil, desde a chegada da marca no país, todas as cápsulas degustadas nas boutiques ou recebidas espontaneamente do consumidor foram armazenadas no Centro de Distribuição, até o momento em que a marca conseguiu uma solução para reciclar efetivamente, o que ocorre desde 2011”, conclui Claudia.

 

Redução de latas de bebidas atende indústria e consumidor

 Versatilidade das embalagens de alumínio permite atender demandas diversificadas de quem produz e de quem consome

As embalagens de 250ml ou menores representavam 40% das marcas de bebidas gasosas da Coca-Cola, em 2017. E as minilatas e outras embalagens pequenas compunham 15% das bebidas gasosas da companhia comercializadas na América do Norte. Essa tendência de redução das embalagens por parte da indústria de bebida atende a demandas dos consumidores, que variam de causas econômicas à busca de alimentação saudável.

De acordo com Thiago Gnecco, gerente comercial América do Sul da fabricante de latas Ball, as marcas sempre buscam soluções de embalagem que se adequem à sua estratégia. “No caso do Brasil, a crise econômica reduziu o poder de compra dos consumidores e embalagens menores têm menor custo unitário. Neste caso, foi a oportunidade para as marcas não verem seus consumidores migrarem para produtos competidores. Existe também a busca do consumidor por produtos mais saudáveis e as embalagens menores auxiliam também na redução da quantidade de calorias ingeridas. Além disso, existem categorias que tem como estratégia atingir o público infantil”, explica.

Embalagens menores garantem ao consumidor acesso a bebidas em diferentes ocasiões de consumo

Apesar de não citar números, Gnecco garante que, no caso de refrigerantes, as embalagens menores são parte da estratégia de algumas empresas globais e tem crescido não só no Brasil, como também em todo o mundo. Segundo gerente, em alguns países existem regulamentações governamentais que exigem valores máximos de calorias e outros ingredientes, que só podem ser atingidas por embalagens menores.

Gnecco ainda ressalta que as embalagens menores garantem ao consumidor acesso a bebidas em diferentes ocasiões de consumo.  “Na indústria da cerveja, a redução da embalagem em lata (269 ml), muito conhecida em grandes eventos, como o carnaval, tem como apelo uma quantidade menor de bebida que mantem-se gelada enquanto o consumidor a degusta”, exemplifica.

Marcas de bebidas adotam anéis coloridos de latas como padrão

Há dois anos, produção nacional de anéis coloridos de alumínio incentiva opção pelo diferencial

Desde 2016, a Novelis é a única fornecedora nacional de bobinas pintadas para anéis coloridos de alumínio usados em latas para bebidas.  Até então disponível apenas no mercado internacional, o produto passou a ser fabricado no País nas cores vermelha, verde, azul e laranja.

Os lotes mínimos foram uma novidade e um diferencial. Há dois anos, a Novelis oferece lotes de 2 a 3 toneladas por cor, enquanto que produtores externos fornecem lotes maiores, entre 5 e 10 toneladas. O processo de pintura utiliza um sistema inovador com verniz a base de água e concentrados coloridos, que possibilita a fabricação de lotes mínimos menores por cor.

Cor e personalização da lata ajudam marcas a se diferenciarem nas gôndolas

Além do fornecimento de lotes menores, eliminar a necessidade de importação mitigou gargalos importantes, como a logística, por exemplo, tornando o produto competitivo e agilizando o processo de entrega.

Utilizados  a princípio especialmente em campanhas promocionais de edições limitadas, a produção e a demanda por esse produto aumentou e hoje muitas marcas utilizam o anel colorido como padrão, segundo Cinthia Squadrani, Analista de Desenvolvimento de Produto da Novelis. Isso porque a cor e a personalização da lata ajudam as marcas a se diferenciarem nas gôndolas e a caracterizarem diferentes famílias de produtos.

“No Brasil, a produção e a possibilidade de compra de lotes menores serviu como um grande incentivo para o aumento da utilização dos anéis coloridos. A expectativa da Novelis é continuar aumentando o portfólio de cores disponíveis de acordo com a demanda nacional, possibilitando cada vez mais diferenciação para as latas fabricadas ”, explica a analista.

Prêmio internacional recebe inscrições de pesquisas científicas

Aplicações inovadoras de folha de alumínio em embalagem serão apresentadas em outubro, na Alemanha

As inscrições para o Prêmio Robert V Neher, competição internacional acadêmica de reconhecimento de aplicações inovadoras de folha de alumínio no desenvolvimento de embalagens, podem ser feitas até maio de 2018.

A participação está aberta a produções acadêmicas – tese de bacharel, mestrado ou doutorado – que abordem aspectos técnicos, científicos ou sustentáveis ​​do processamento e aplicação de papel alumínio.

O trabalho científico vencedor receberá 10 mil euros em cerimônia de premiação, a ser realizada na exposição de alumínio de Düsseldorf, em outubro de 2018.

Todos os seguintes documentos, em inglês e em formato PDF, devem ser enviados no momento da inscrição online.

  • Declaração de Integridade Acadêmica – todos os candidatos devem baixar, imprimir, assinar, escanear e fazer o upload da Declaração de Integridade Acadêmica no momento da submissão online;
  • Resumo (máximo 500 palavras);
  • Resumo Executivo (máximo 1.200 palavras);
  • Trabalho científico.