Páscoa com ovo gigante da Ferrero Rocher

Embalado com o tradicional papel de alumínio dourado, o Grand Ferrero Rocher chega para o consumidor brasileiro

Nesta Páscoa, os amantes do chocolate ganharam mais uma opção na hora de comprar os ovos que simbolizam a data: a versão gigante do bombom Ferrero Rocher.

Assim como o tradicional bombom, o ovo inovador é embalado com papel alumínio, o que dá um toque de sofisticação ao produto e garante maior tempo de validade ao chocolate.

O Grand Ferrero Rocher já existe na Europa, onde faz sucesso. Daí veio a ideia da marca italiana de investir no produto para o mercado brasileiro. Com 125g, a edição especial para a Páscoa de 2017 pode ser encontrada nas lojas Americanas e na rede de supermercados Carrefour. O preço sugerido é de R$ 30,00.

TNT cria lata de alumínio fashion

Rótulo customizado leva bebida energética à passarela da moda em São Paulo

Para marcar presença na 43a edição da São Paulo Fashion Week, a marca de energéticos TNT, do Grupo Petrópolis, criou uma lata de alumínio customizada para o evento. O desenvolvimento da edição especial do rótulo utiliza os diferenciais de impressão da latinha para bebidas, que permitem a aplicação de artes diversificadas e tintas especiais.

Em quatro cores, as embalagens em verniz fosco apresentam design moderno e sofisticado para atender o público que frequenta o evento anual, que nesta edição reúne as criações de diversos estilistas entre os dias 13 e 17 de março.

As cores vermelha, branca, laranja e verde diferenciam os sabores original, original zero açúcar, tangerina e maça verde, em embalagens de 269 ml.

Os rótulos também destacam a assinatura conceitual “PODE VIR”, adotada pelo energético no ano passado, com foco no posicionamento de superação e resistência.

Drink de vodka na caixinha traz praticidade e proteção do alumínio

Smirnoff X1 com suco de frutas é a primeira bebida destilada em cartonada asséptica pronta para beber

A inovação chega com o lançamento de uma nova bebida alcoólica à base de vodca: a Smirnoff X1, em embalagem cartonada colorida de 1 litro e com tampa de rosca. Em três versões, Triple Citrus, Strawberry Lime e Brazilian Berry, a bebida, para ser consumida gelada, mistura vodca e suco, nos sabores açaí, cítrico e morango com limão.

“Além de ser o primeiro destilado em embalagem Tetrapak do Brasil, o produto propõe um novo jeito de consumo, muito mais prático, desenvolvido a partir de pesquisas com o consumidor brasileiro, pensando na ocasião de esquenta, quando as pessoas se reúnem para um drink, antes de sair de casa  para um show ou balada, por exemplo”, explica Isabela Abbês, Gerente de Marketing de Vodka e Ready to Drink.

De acordo com o fabricante, além de praticidade, a novidade garante o sabor da Smirnoff X1. As bebidas envasadas nas cartonadas assépticas têm como aliadas a proteção do alumínio, um dos componentes dessas embalagens. Além da facilidade de armazenamento na geladeira, a embalagem é fácil de abrir e pode ser fechada novamente.

Stand up pouch para baby food garante conveniência e segurança

Stand up pouch com aplicação de bico permite consumo de papinhas diretamente na embalagem

 

Entre as mais recentes inovações de embalagens para alimentos está a versão  stand up pouch com aplicação de bico, que alia portabilidade, possibilidade de consumo direto na embalagem e fechamento após o uso.

A stand up pouch é inquebrável e as linhas baby food com bico  permitem que crianças, a partir de um ano, se alimentem sozinhas, porque as  embalagens não contêm partes engolíveis, segundo Alan Baumgarten, executivo da fabricante Gualapack.

“Presença do alumínio possibilita shelf-life de até um ano fora da geladeira”

Segundo Baumgarten , entre as vantagens estão que o conteúdo pode ser totalmente aproveitado e o alimento está protegido, devido à presença do alumínio. Em aplicações em purês de frutas para crianças, por exemplo, o shelf-life pode chegar, em média, a um ano fora da geladeira.

Ao afirmar que o alimento passa por um processo de pasteurização, o que cria o efeito de esterilização, o executivo ressalta a importância da presença do alumínio. Isso porque o processo de envase é protegido pela embalagem, que  impede o contato com gases ou contaminações externas.

“Com certeza o uso desse tipo de embalagem para alimentos deve crescer. Além do aumento pela procura de embalagens que tenham forte apelo de segurança e conveniência, o mercado brasileiro deve migrar para a stand up pouch categorias pouco valorizadas por conta da ausência de portabilidade, higiene e dificuldade de abertura”, prevê Baumgarten.

Impressão customizada favorece marketing da indústria de bebidas

Tecnologia permite impressão simultânea de 24 tipos de arte em mesmo lote de latinhas de alumínio

Os lançamentos de campanhas de latas de alumínio customizadas fazem parte das estratégias de marketing da indústria de cervejas e refrigerantes, para oferecer um diferencial entre os concorrentes que dividem o mesmo espaço nas gôndolas dos supermercados.

Entre os mais recentes está a campanha  “Fala na Lata Kaiser”, que desde janeiro traz 14 frases diferentes nos rótulos da cerveja da marca e ainda interage com o consumidor, que pode personalizar uma lata virtual com sua própria frase e enviá-la a amigos via redes sociais.

As opções de rótulos que dialogam com o consumidor foram ampliadas graças ao desenvolvimento tecnológico do processo de impressão. “O projeto original das impressoras, criado há 50 anos,  foi concebido para permitir a produção de uma única arte na lata. Isso dificultava atender os projetos inovadores dos clientes que desejavam colocar no mercado lotes de latas com múltiplas artes“, explica João André Villas-Boas, supervisor de Desenvolvimento de Rótulos, da fabricante de latas de alumínio Ball.

“Rótulos com frases e imagens personalizadas ampliam opções de campanhas que dialogam com o consumidor”

Com a tecnologia Dynamark, desenvolvida pela Ball, num mesmo lote de latas podem ser impressas 24 frases e imagens diferentes simultaneamente. De acordo com Villas-Boas, no processo tradicional, a criação dos rótulos era limitada.  “No máximo, havia duas ou três artes, e a única opção era fazer lotes inteiros da primeira arte, depois outro da segunda e, por fim, da terceira. A exceção era quando tínhamos duas impressoras imprimindo na mesma linha de produção, isso fazia com que pudéssemos fazer duas artes de forma simultânea”, explica Villas-Boas.

De acordo com o supervisor, hoje as variedades gráficas dos rótulos são infinitas, que contam com o diferencial das latas de alumínio. “Acredito que ainda não exploramos todo o potencial dessa tecnologia. Diferente de outras embalagens para bebidas, a lata pode ser impressa em toda a sua superfície, em 360 ͦ, e isso oferece um vasto campo a ser explorado”, conclui.

Lata de alumínio inova o mercado de vinho

Vinícolas internacionais investem em novo produto para conquistar os jovens

No mercado internacional, o envase de vinhos em latas de alumínio já é uma realidade. O produto, de 187ml a 500ml, é oferecido, por exemplo, pela fabricante de latas para bebidas norte-americana Ball, que aposta na popularização da bebida entre as novas gerações.

Segundo a empresa, hoje o consumo de vinho não se limita a ocasiões especiais. Também é consumido em momentos casuais de lazer. Um novo cenário que favorece o investimento em latinhas. Além da conveniência, a embalagem é inquebrável, hermética e à prova de luz,  o que garante proteção ao sabor e aroma da bebida. “O vinho em lata está na  moda em todo o mundo. Países como Estados Unidos, Itália, França e Nova Zelândia já produzem uma grande variedade desses vinhos. O produto emplacou no mercado para agradar um público mais jovem, entre 21  e 35 anos , que deseja encontrar facilidade na hora de consumir a bebida em festas na praia, camping e concertos de músicas. É uma busca, principalmente de países como os Estados Unidos, de inserir a cultura do vinho no jovem que não cresceu nesse mundo e enxerga o vinho como um produto elitizado e somente para pessoas mais velhas”, explica a sommeliere Marcia Anholeti.

“Estados Unidos, França, Itália e Nova Zelândia apostam nos consumidores de 21 a 35 anos”

A novidade surgiu em 2009 e aos poucos começou a ganhar o mercado internacional. Segundo Marcia, hoje há uma variedade muito grande de produtores. Entre eles a sommelier cita as vinícolas Sofia (Califórnia), que produz espumante;  Underwood  (Oregon), produtora de vinho branco da uva Pinot Grigio e um tinto da uva Pinot Noir.; Presto (Itália), fornecedora de espumante  e Lila (Nova Zelândia), que oferece ao mercado vinho branco da uva Pinot Grigio.

O vinho envasado em latinhas de alumínio ainda não chegou nas vinícolas nacionais. “Mas já é possível ver as primeiras importações de vinho em lata . A aceitação ainda acho que será preconceituosa, e tudo irá depender do valor de impostos adicionado ao produto para sabermos  se conseguirá atingir o público mais jovem que tem a mente mais aberta a novidades do mercado”, opina Marcia.

img-interna-vinho-em-lata