Poder de compra da geração sênior movimenta consumo

No Brasil, consumidores acima de 60 anos devem ficar com 16% da renda do país em 2020 e a maioria está disposta a gastar mais para garantir qualidade

Nos próximos anos, a geração sênior será uma das mais importantes para o consumo mundial. O poder de compra dos consumidores acima de 60 anos vai superar R$ 30 trilhões em 2020, de acordo com estudo divulgado pela Tetra Pak. A pesquisa entrevistou mais de 40 mil pessoas, de 27 países.

No Brasil, o público sênior detinha 11% da renda do país, na última década. Nos próximos quatro anos, a expectativa é que essa participação ultrapasse 16%, em decorrência do envelhecimento da população e do aumento do poder de compra dos brasileiros, de acordo com o relatório “Consumer Generations”. Apesar de ser uma fatia representativa dos consumidores, o número é inferior se comparado aos países asiáticos. No Japão, por exemplo, os idosos devem representar 31% do consumo do país em 2020, enquanto em 2005 era de 26%.

De acordo com dados da Tetra Pak, a geração sênior investe 20% do orçamento em alimentos e bebidas. “Eles têm mais recursos que outras gerações e podem se tornar um importante grupo de consumidores, o que cria uma grande oportunidade para a indústria atender as demandas deles”, afirma Libby Costin, vice-presidente Global de Marketing da Tetra Pak.

O estudo ainda revela que, na hora de escolher alimentos e bebidas, 88% das pessoas acima de 60 anos priorizam a qualidade do produto como fator decisivo para a compra e 59% estão dispostos a pagar mais caro para garanti-la.

Europa investe na reciclagem de tampas de alumínio para vinhos

Aumento de 50% de coleta e reciclagem é impulsionado por campanhas nacionais de conscientização

Depois de conquistarem os apreciadores de vinho para o consumo da bebida envasada em garrafas com tampas de rosca, países europeus investem na reciclagem das screw caps de alumínio.

De acordo com dados divulgados pela campanha Aluminium Closures – Turn 360°, realizada pela Alufoil, Associação de Folha de Alumínio da Europa, a taxa média de reciclagem aumentou mais de 50% em 2016.

Grande parte dessa melhoria é resultado da aplicação de inovações nos sistemas de coleta e reciclagem. Em países europeus, as tampas de alumínio usadas em garrafas de vinho, assim como de água e azeite, são coletadas soltas ou juntamente com as garrafas.

Diversos países incentivam a prática do descarte correto, como acontece, por exemplo, na campanha nacional dinamarquesa Keep the Cap on. No Reino Unido, os consumidores são orientados a manter a tampa nas garrafas após o consumo, para facilitar a coleta. Campanhas semelhantes de orientação também são realizadas na Itália, para conscientizar a população sobre a viabilidade e a importância da reciclagem das tampas de rosca de alumínio.

 

Cerveja artesanal versão “latis”

Potencial criativo das latinhas e proteção do alumínio valorizam diferenciais de cerveja criada em homenagem ao músico e humorista Mussum

As embalagens das cervejas artesanais Birits, Cacildis, Ditriguis e Forévis exemplificam o potencial criativo das latinhas de alumínio para bebidas. De cores fortes e ar retrô, as latas trazem o estilo descontraído da cervejaria Ampolis, inaugurada em 2013 em homenagem ao músico e humorista Mussum, o brasileiro Antônio Carlos Bernardes Gomes.

Depois de consolidar a marca com as garrafas de vidro, a cervejaria do Rio de Janeiro lançou as quatro versões, criadas a partir das expressões usadas pelo humorista falecido em 1994, em latas de 350 ml. Ao anunciar a novidade nas redes sociais, a Ampolis, em seu estilo bem-humorado, destacou as vantagens do alumínio: “Pode agradecer aos Deuses do Mé porque com a chegada da FORÉVIS temos mais essa novidade: todos os nossos diuréticos agora também na versão latis! Coisa lindis!! Pra colecionar tudo! E além de lindas ainda protegem ainda mais o seu mé do ar e da luz, pra ele chegar até vc perfeitis!!”.