Ciclo de vida da latinha de alumínio

Em até 60 dias, as embalagens são coletadas, recicladas e novas latas chegam aos pontos de venda

No dia 28 de outubro é celebrado o Dia Nacional da Reciclagem do Alumínio. O metal tem sua reciclabilidade bem conhecida pelo grande público por conta das famosas latinhas para bebidas.

Pois a latinha, tão consumida pelos brasileiros, é a estrela principal de um vídeo lançado pela ABAL em seus canais digitais para celebrar a data. Afinal, só em 2015 foram recicladas 97,9% das embalagens consumidas no país. No ano passado foram recicladas 23,1 bilhões de latinhas, o que corresponde a 63,3 milhões/dia, ou 2,6 milhões/hora.

A produção detalha  o ciclo de vida da embalagem, desde o descarte da latinha, passando pela coleta, reciclagem, fusão e laminação da chapa, que dará forma a uma nova lata, envase e envio aos pontos de venda até o consumo. Todo esse ciclo leva até 60 dias e envolve uma ampla cadeia de profissionais e processos.

“A ideia é demonstrar o caminho pelo qual percorre a latinha depois que a consumimos. Os atributos das latas de alumínio são destacados no vídeo com uma linguagem moderna, mostrando que este é um segmento altamente sustentável”, comenta Milton Rego, presidente-executivo da ABAL.

 

Dia Nacional da Reciclagem do Alumínio

dia-reciclagem-de-aluminio

O Dia Nacional da Reciclagem do Alumínio foi instituído em 28 de outubro de 2003, quando a cidade de Pindamonhangaba (SP) –  responsável por reciclar cerca de 70% de toda sucata do metal no país – recebeu o título de Capital Nacional da Reciclagem do Alumínio. Desde então, anualmente, a ABAL promove ações voltadas à sociedade em comemoração a data.  Este ano, as ações contam com o patrocínio das associadas Novelis e ReciclaBR, além da Abralatas – Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade.

Cápsulas de alumínio mantêm aroma e sabor do café

Estudo aponta o alumínio como a melhor solução para proteger a qualidade das doses individuais de café e garantir logística reversa

Um estudo recente publicado por Chahan Yeretzian, da Universidade de Ciências Aplicadas de Zurique, na Suíça, comparou quatro materiais diferentes e concluiu que as cápsulas de alumínio são as melhores para preservar o frescor e o aroma do café durante o prazo de validade de um ano. Os dados foram divulgados pela Nespresso, que utiliza o alumínio para proteger a qualidade e o frescor dos Grands Crus.

“Nossas cápsulas de alumínio, hermeticamente fechadas, fornecem a melhor proteção contra fatores como oxigênio, luz e umidade. Outro fator é que o alumínio tem uma função essencial nos cafés Nespresso. As cápsulas são desenvolvidas para interagir com a máquina e proporcionar a alta pressão equivalente àquela das máquinas espresso profissionais”, explica Christiane Nunes, gerente de Relações Públicas da Nespresso Brasil.

Como um dos maiores produtores e consumidores de café mundiais, o Brasil é considerado um mercado estratégico para o setor. De acordo com Pedro Feliu, diretor Nescafé Dolce Gusto, os brasileiros consomem cerca de 225 mil xícaras da bebida por minuto e 3% das vendas de café são em cápsulas . Em 2015, foram consumidas 520 milhões de cápsulas, segundo Feliu.

“Em 2015, o Brasil consumiu 520 milhões de cápsulas de café

Além das vantagens do alumínio, a cápsula atende às necessidades do consumidor contemporâneo, que busca a conveniência das embalagens de monodoses e variedades de tipos de cafés, segundo Feliu. Apenas a marca Nespresso disponibiliza aos brasileiros 24 opções. “Em nossas boutiques incentivamos os clientes a descobrirem novas opções de café desde os suaves, até os equilibrados, intensos, superintensos e aromatizados, além das edições limitadas lançadas anualmente”, conta Christiane.

Outro diferencial da cápsula de alumínio está relacionado a produção e ao consumo sustentável, pois auxilia os fabricantes a manter ações de logística reversa devido ao alumínio ser 100% reciclável. O sistema implantado pela Nespresso permitiu que no final de 2014 a marca atingisse a capacidade de mais de 80% de coleta de cápsulas. E até 2020, pretende alcançar 100%, segundo a gerente.

A Nespresso conta com 28 pontos de coleta de cápsulas no Brasil. Nas cidades onde não há pontos de coleta, a Nespresso orienta que as cápsulas sejam encaminhadas aos Postos de Entrega Voluntária (PEV), onde o material é recolhido para reciclagem.

A relação entre um café bem tirado e o alumínio é bem antiga. Quer saber há quanto tempo essa parceria existe? Leia esse artigo: A história do alumínio e do café.

Chocolate em lata de alumínio para bebidas?

A novidade é da belga Ovidias que optou pelos diferenciais da embalagem para distribuir seus chocolates premium para o mundo

Depois de conquistar 100% dos fabricantes e consumidores de cervejas, energéticos e a maioria dos produtores de refrigerantes e sucos de frutas, a lata de alumínio para bebidas começa a inovar o mercado de alimentos. A belga Ovidias surge como a primeira marca de chocolates a embalar seus produtos nas populares latinhas.

A lata, de 330 ml, contém diferentes sabores e formatos de bombons embalados individualmente e a tampa easy open permite a proteção da qualidade do produto e facilita a abertura. E o formato ainda favorece a impressão de rótulos em toda a extensão da embalagem.

Segundo a empresa, a lata para bebidas é perfeita para chocolates premium, porque conserva o sabor e mantém a textura cremosa do chocolate, garante uma vida mais longa ao produto, oferece proteção contra oxidação, causada pela exposição à luz e a gases, e ainda facilita o transporte e o armazenamento. Características fundamentais para os chocolates em lata da Ovidias que são comercializados mundialmente via internet.

interna-ovidias-01

De acordo com Marco Turcatto, gerente de Marketing da Ovidias, a inovação surgiu a partir de uma sugestão do fundador da marca. Ao observar as bebidas disponibilizadas em um frigobar de um hotel, se questionou sobre a viabilidade de a lata de alumínio ser usada para embalar chocolates. “Depois de cuidadosa investigação, entramos em contato com a Ball (empresa norte-americana de embalagens) e conseguimos desenvolver um produto verdadeiramente único”, explica.

Os “chocolates em lata” estão disponíveis para compra no endereço eletrônico https://www.ovidias.com/en-gb/

Lata de alumínio para alimentos reduz custos de transporte e pegada de carbono   

Características sustentáveis da embalagem devem impulsionar sua adoção pela indústria alimentícia nacional

O sistema de transporte mais eficiente possibilitado pela utilização de latas de alumínio para embalar alimentos reduz o custo com combustível e a  emissão de CO2 , em comparação com embalagens produzidas com aço.  Os dados são comprovados por pesquisas realizadas pela Novelis, empresa fornecedora de laminados.

De acordo com o levantamento, um caminhão carregado com 50 mil latas de alumínio de atum, por exemplo, apresenta uma redução de peso de 1.398 kg, em relação às de aço, devido à leveza característica do metal.  Uma vantagem que reflete diretamente no consumo de combustível e no aumento de carga útil, uma vez que o limitante seja o peso total do veículo + carga. 

No exemplo citado acima, a economia de combustível chega a 5,59 litros a cada 100 km. E com isso, a economia de combustível gerada no transporte de 50 mil latas de atum com embalagens em alumínio pode ultrapassar R$ 77 mil ao longo de uma vida útil do caminhão estimada em 500 mil km, de acordo com o estudo da Novelis.

Menos viagens e menos gasto de combustível beneficiam diretamente o meio ambiente, fortalecendo as políticas de sustentabilidade da indústria alimentícia,  já que o transporte de alimentos embalados em latas de alumínio reduzem 1,39g de CO2 a cada 100 km rodados, totalizando 699 Kg em 500 mil km rodados.

“Redução de peso pode gerar economia
de R$ 77 mil no transporte
de 50 mil latas de atum”

Esses benefícios gerados pelas propriedades do alumínio contribuem para incentivar a adoção de latas totalmente produzidas com o metal pelo mercado brasileiro de alimentos, segundo Fernando Wongtschowski, gerente de Marketing da Novelis. Hoje ainda são utilizadas latas de aço no Brasil, apesar da crescente opção pelas tampas easy open com anéis de alumínio.

Outra vantagem das latas de alumínio, que muito contribui para a sustentabilidade da indústria alimentícia, além de reduzir a pegada de carbono, é sua reciclabilidade. A lata de alumínio possui uma cadeia de reciclagem completamente estabelecida e altamente eficiente entre todas as embalagens, o que está em sintonia com iniciativas voltadas ao controle do aquecimento global.  A Novelis, por exemplo, garante que hoje pode oferecer chapas e folhas para a fabricação de latas de alimentos contendo mais de 90% de matéria-prima de origem reciclada.

A lata de alumínio está entre as “embalagens verdes”, que, segundo a empresa,  são cada vez mais é um fator fundamental na escolha do produto pelos consumidores. Pesquisas apontam que 61% dos consumidores norte-americanos têm considerado as embalagens verdes ao decidir qual produto comprar e quase 70% consideraria trocar de marca, se elas comprovassem melhores práticas ambientais, como mostra dados fornecidos pela Novelis.