Pequena notável

Mini-lata de alumínio para refrigerantes é opção para enfrentar queda de consumo

Nos últimos seis anos, o consumo de refrigerantes no País registrou queda de 20%, segundo levantamento de 2014 realizado pelo Ministério da Saúde.

Apesar da queda, a pesquisa mostra que 21% dos entrevistados bebem refrigerante cinco vezes por semana. Ou seja, apesar da preocupação em manter uma vida saudável, a bebida continua a fazer parte dos hábitos alimentares dos brasileiros.

Uma equação que os fabricantes estão resolvendo através do lançamento de embalagens menores, como as mini-latas de Coca-Cola, de 250 ml, com 90 calorias. Forma encontrada pela empresa para incentivar os amantes da bebida a manter o consumo e, ao mesmo tempo, cuidar da saúde.

img-interna-pequenanotavel

Tendência de mercado que foi acompanhada pelos fornecedores nacionais de latas de alumínio, que oferecem diversos tamanhos e formatos de embalagens. De acordo com a Abralatas (Associação Brasileira de Produtores de Lata de Alumínio para Bebidas),  a produção está capacitada para atender diferentes necessidades de consumo.

“Formatos diferentes do tradicional chegam a 30% da produção nacional”

Além da latinha de 350ml, nos últimos anos houve diversificação da produção. Hoje, pelo menos 30% do que é produzido no País está em formato diferente do tradicional.

“A possibilidade de variação de tamanho e formato da lata permite ao fabricante de bebidas colocar seu produto no mercado para finalidades e públicos diversos, de acordo com a ocasião de consumo ou com o  perfil do consumidor. Existem latas para consumo compartilhado, para doses pequenas, para eventos sofisticados e para serem consumidas em qualquer ambiente. Ou seja, há latas para todos os gostos”, explica Renault Castro, presidente executivo da Abralatas.

Entre as fabricantes nacionais está a Rexam, fornecedora dos formatos squat 250 ml, para a Coca-Cola, e o slim 250 ml, para a Red Bull.

Em alta definição

Rótulos de latas de alumínio com impressão HD valorizam diferenciais de bebidas

A lata de alumínio para bebidas favorece a criação de embalagens customizadas e diferenciadas. Além de permitir a impressão de um rótulo em toda a sua superfície, com cores variadas e tintas especiais, a embalagem permite a impressão de imagens ricas em detalhes. Isso porque o alumínio favorece a aplicação da tecnologia High Definition (HD), de qualidade fotográfica.

De acordo com informações fornecidas pela fabricante Rexam, a diferença do método HD, em relação à impressão de rótulos convencionais,  está no processo de gravação das placas de impressão utilizadas para essa tecnologia. Na qual a lineatura (número de linhas de pontos de retícula por unidade de medida que especifica a resolução de equipamentos no processamento de imagens) de retícula é muito similar à praticada na produção de revistas. O que exige maquinário especial para o fornecedor de placas de impressão, pois elas são gravadas a laser, diferente do que ocorre na gravação de placas para rótulos convencionais.

imd-interna-altadefinicao

Entre os clientes de impressão de rótulo em HD da Rexam estão os energéticos Vulcano e Burn, e os sucos e chás Green Day e Namastea.

No processo, a lata passa primeiro pela fabricação de amostras em uma linha piloto, já com a placa em HD. Após aprovação do cliente, inicia-se a etapa de geração de cartela de cores, para definir os limites de variação mínimos e máximos durante a produção. Depois da definição do padrão de cores, a lata começa a ser produzida, com capacidade de impressão que pode ultrapassar 30 unidades por segundo.

Segurança alimentar

Congresso Internacional do Alumínio destaca a importância das embalagens na segurança alimentar e no combate ao desperdício de alimentos

A contribuição das embalagens de alumínio para a conservação, segurança e combate ao desperdício de alimentos  será destaque da programação de palestras e debates do 7º Congresso Internacional do Alumínio, promovido pela ABAL (Associação Brasileira do Alumínio), em São Paulo.

De 7 a 9 de junho, o evento reunirá profissionais de todas as etapas da cadeia produtiva e consumidora do metal, representantes da academia e pesquisadores, para debater os principais desafios e inovações tecnológicas da indústria do alumínio.

img-savefood

O painel sobre embalagens contará com a presença de Stefan Glimm, diretor executivo da Eafa (Associação Europeia de Folha de Alumínio). O convidado, segundo Celso Soares, coordenador do Comitê de Mercado Embalagens da Abal e diretor da Divisão Laminados América Latina da Alcoa, vai expor a participação do alumínio na campanha mundial Safe Food de combate aos desperdício de alimentos.

“Painel contará com a participação de executivos da Eafa e da FAO”

“Está comprovado que não há barreira mais eficiente contra a deterioração de alimentos do que o alumínio. O metal é largamente empregado pelos fabricantes de embalagens. Entre elas estão as cartonadas assépticas e os sachês, utilizadas para lácteos e atomatados. Esses são apenas alguns exemplos de produtos altamente perecíveis cuja conservação conta com a contribuição do alumínio”, explica Soares.

O Congresso acontece simultaneamente à sexta edição da ExpoAlumínio – Exposição Internacional do Alumínio, no São Paulo Expo Exhibition & Convention Center (SP).